ESTILO DE VIDA

Antibióticos para crianças: use com moderação

O uso de antibióticos costuma ser comum nos primeiros sintomas, como a febre, nas crianças. Mas, ele está sendo usado corretamente? Descubra!

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 01/09/2016 às 11:15
Atualizado às 13:13

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Os antibióticos são indicados para tratar doenças causadas por bactérias, como inflamação das amígdalas, inflamação de ouvido, sinusites, entre outros. Por esse motivo, aos primeiros indícios os pais correm para a farmácia mais próxima para medicar o filho, uma atitude equivocada. Descubra os sintomas e como agir com relação a esse medicamento tão comum:

bebe-dormindo-quieta

FOTO: Shutterstock.com

Sintomas comuns

Sinais das doenças, como a febre são muito comuns em alguns casos. “Embora as doenças febris em crianças possam ter, e frequentemente têm causas bacterianas, a imensa maioria delas é causada por vírus, principalmente nas crianças menores de 5 anos”, esclarece a pediatra Maria Clara de Magalhães Barbosa. De acordo com a médica, as viroses têm um curso limitado, que não é alterado pelo uso de antibiótico. A exceção acontece se ocorrer alguma complicação bacteriana secundária durante uma doença causada por vírus.

Quando medicar a criança com antibiótico?

Se o seu filho estiver com um resfriado (doença viral) e, durante esse período, tiver uma inflamação no ouvido, sinusite ou até mesmo uma pneumonia, aí sim pode ser indicado um antibiótico. Mas, um bom acompanhamento pediátrico é indispensável para detectar o problema.

Veja também
11 dúvidas sobre bebês recém-nascidos
Tira-dúvidas: cólicas no bebê
Homeopatia X Alopatia: cuidados com o bebê

Quais os antibióticos indicados?

Os remédios antibióticos mais receitados pelos profissionais para tratamento com crianças são a amoxicilina, a amoxicilina com clavulanato, a azitromicina, a cefalotina e a cefuroxima.Uma recomendação muito importante é nunca interromper o tratamento. Mesmo que a criança já se sinta melhor logo nos primeiros dias após tomar esse medicamento, a interrupção pode fortalecer as bactérias causadoras da doença e aí a cura se torna mais difícil.

Fique atenta aos detalhes!

Também procure sempre respeitar os horários indicados na receita médica, pois estão de acordo com o tempo de ação contra as bactérias que, só para lembrar, são microorganismos vivos e estão lutando por sua sobrevivência. Também é importante perguntar para o pediatra se o medicamento receitado deve ser tomado próximo às refeições. Isso porque algumas substâncias têm seu efeito reduzido quando tomadas na presença de leite e outros alimentos.

Consultoria: Maria Clara de Magalhães Barbosa, coordenadora da Câmara Técnica de Pediatria da rede D’Or. Revisão: Michelle Albuquerque