Antiácidos podem aumentar o risco de problemas cardíacos

O uso abusivo e sem prescrição médico de alguns antiácidos pode aumentar o risco de problemas cardíacos, segundo pesuqisa divulgada recentemente

None
Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 20/07/2016 às 19:31
Atualizado às 21:02

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Uma pesquisa publicada na revista PLOS ONE revelou que os alguns tipos de antiácidos podem elevar o risco de ataque cardíaco de 16% para 21%.

Embora o estudo não prove definitivamente essa relação, é preciso ter cuidado. Isso porque grande parte das pessoas encara os antiácidos como medicamento inofensivo e acaba tomando sem prescriçãomédica.

Saiba mais

5 sucos naturais contra gastrite

Alimentos que pioram gastrite

10 alimentos contra azia e refluxo

mulher com dor de estômago

Shutterstock

Antiácidos: principais tipos

Os inibidores da bomba de prótons (IBP), quando comparados com outra classe de antiácidos, como anti-histamínicos H2 (Pepcid, Tagamet ou Zantec), não têm relação com uma elevação do risco de males cardíacos, segundo a análise.

Os anti-histamínicos H2 estão disponíveis para compra há mais tempo e são mais eficazes contra a acidez do estômago. Outra observação importante é o fato de os pesquisadores concluírem que existe uma maior frequência de crises cardíacas em indivíduos com menos de 45 anos (e com boa saúde) que tomavam os antiácidos IBP.

Sintomas da gastrite

Se você sente uma dor que começa na região epigástrica (abaixo do esterno, um osso que fica na parte anterior do tórax), pode ser indício de que está com gastrite. A queixa mais frequente é de um incômodo na “boca do estômago”, que se alastra para outras partes do sistemadigestivo. Além disso, é comum que a gastrite venha acompanhada de queimação, azia ou até mesmo refluxo. Outros sintomas clássicos são: perda do apetite, náusea, vômito e presença de sangue nas fezes e no vômito.

Você sabia?

Segundo pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia, os antiácidos estomacais estão entre as drogas mais prescritas do mundo. Eles representam uma movimentação de mercado estimada em 14 bilhões de dólares

Texto Paula Santana

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.