ESTILO DE VIDA

Ansiedade pode ser sinal de síndrome do pânico

Além de poder se transformar em um transtorno de ansiedade generalizada, a sensação de mal-estar pode ser sinal da síndrome do pânico

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 14/09/2016 às 18:59
Atualizado às 20:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Ansiedade em excesso, por si só, pode se transformar em um transtorno, ou então, fazer parte de outro distúrbio mental. É o caso, por exemplo, da síndrome do pânico e do estresse pós-traumático. “Todos esses transtornos têm mais ou menos as mesmas características, mas cada um é associado a questões ou situações específicas e apresenta sintomas diferentes”, explica o psicólogo Luciano Passianotto.

Tais problemas podem aparecer na vida da pessoa por meio de algumas manifestações, como pânico, medo, trauma passado e situações estressantes que somos submetidos no cotidiano, como trabalho, provas da escola, vestibulares ou no convívio social. Para identificá-los, é necessária atenção aos sintomas que podem desencadear esses distúrbios, assim como suas diferenças para um melhor diagnóstico e, então, um tratamento adequado.

Ansiedade pode ser sinal de síndrome do pânico

FOTO: Shutterstock.com

Ansiedade e síndrome do pânico

Um dos casos mais graves de um quadro patológico que envolve ansiedade é sua manifestação por meio dos sintomas de uma síndrome do pânico. Segundo a psiquiatra Maria Cristina De Stefano, “as crises começam com ansiedade aguda, podendo durar de cinco a 30 minutos, com diversos sintomas, como ameaças de morte, batimentos cardíacos acelerados, falta de ar intensa, suores frios, mãos e pés gelados e sensação de perda de consciência. A remissão é espontânea e não deixa sintomas”.

Com o passar do tempo, se não tratadas, as crises vão se tornando cada vez mais frequentes, com os mesmos sintomas, tanto físicos quanto comportamentais, se repetindo progressivamente. Isso pode levar a pessoa a um isolamento social cada vez mais profundo, evitando situações que remetem às primeiras crises.

Veja mais:

Ansiedade: 2/3 dos pacientes podem ter sintomas depressivos

Ansiedade pode ser sinal de outros transtornos

Ansiedade e depressão podem afetar a concentração

Consultorias: Luciana Veloso, palestrante, professora, auditora-fiscal do trabalho e autora do livro Riscos Psicossociais e Saúde Mental do Trabalhador (Editora LTR, 2015); Luciano Passianotto, psicólogo; Maria Cristina De Stefano, psiquiatra; Paola Altheia, nutricionista.

Texto: Giovane Rocha/Colaborador – Entrevistas: Natália Negretti – Edição: Augusto Biason/Colaborador