ESTILO DE VIDA

Ansiedade: 2/3 dos pacientes podem ter sintomas depressivos

Cerca de 65% das pessoas diagnosticadas com ansiedade apresentam sintomas depressivos, e 25% dos casos de depressão passam anteriormente pela ansiedade

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/09/2016 às 19:27
Atualizado às 20:58

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), é estimado que a depressão atinge cerca de 350 milhões de pessoas no mundo inteiro, podendo ser considerado o mal do século. Mesmo com um número tão grande de vítimas desse quadro, o distúrbio ainda não é levado a sério tanto quanto se deveria. Seus sintomas, que variam entre o humor irregular, desânimo, perda ou excesso de apetite e de peso e insônia, muitas vezes não são vistos com a devida importância, o que acaba piorando a saúde do paciente. E em uma situação extrema, o que era “apenas um sentimento de tristeza” vira algo muito pior: a OMS avalia que, das pessoas diagnosticadas com a depressão, 800 mil cometem suicídio.

As consequências do distúrbio são graves por si só, mas podem aumentar quando unidas aos sintomas da ansiedade. Primeiramente, vale lembrar que a depressão e o transtorno ansioso são patologias com diagnósticos diferentes, mas que possuem traços semelhantes. No entanto, isso não impede que alguém com o quadro depressivo apresente também as manifestações da ansiedade, como taquicardia, sudorese, falta de ar e os próprios ataques de pânico.

Ansiedade: dois terços dos pacientes podem ter sintomas depressivos

FOTO: Shutterstock.com

“Estudos mostram que cerca de 25% dos casos de depressão passam anteriormente por um quadro de ansiedade. E aproximadamente 65% dos pacientes diagnosticados com ansiedade apresentam sintomas depressivos”, constata a psicóloga Ana Paula Cavaggioni.

Frequência

Não é nenhuma raridade que os traços de depressão e ansiedade se misturem, mas a manifestação de apenas um dos transtornos ainda é a probabilidade mais comum. “Considero pouco provável alguém viver até os 50 anos de idade e não ter desenvolvido em algum momento da vida um quadro de depressão ou ansiedade, seja de seis meses ou anos”, conclui o psicólogo Bayard Galvão.

Veja mais:

Terapias podem ser mais eficazes no tratamento da ansiedade

Ansiedade: em alguns casos, o uso de remédios é necessário

Conheça os remédios mais indicados em casos de ansiedade

Consultorias: Ana Paula Cavaggioni, psicóloga da Clia Psicologia e Educação (www.cliapsicologia.com.br), em Santo André (SP); Bayard Galvão, psicólogo, hipnoterapeuta e presidente do Instituto Milton H. Erickson, de São Paulo (SP).

Texto: Giovane Rocha/Colaborador – Entrevistas: Natália Negretti – Edição: Augusto Biason/Colaborador