Ansiedade em excesso pode ser uma doença. Veja os sintomas

O Transtorno de Ansiedade Generalizada pode interferir em vários aspectos da vida social e profissional. Cerca de um terço da população possui a doença

None
Istock

por Redação Alto Astral
Publicado em 12/10/2016 às 18:27
Atualizado às 11:43

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Subestimado por muito tempo, por ser considerado exagero ou algo temporário, o transtorno mental ansioso interfere em vários aspectos da vida social e profissional. Atualmente, a ansiedade fora de controle é categorizada como uma patologia, tanto que está presente no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) desde a década de 1980.

Mulheres abaixo de 35 anos são mais propensas a transtornos de ansiedade, diz estudo

Istock

A partir de então, o sentimento de alerta constante desdobrou-se em alguns outros males, como fobias, síndrome do pânico, além do próprio Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG). De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente, cerca de 33% da população mundial sofre de transtornos ansiosos.

O distúrbio tem tratamento, podendo até ser curado. Psicoterapias são as ações mais indicadas, além de a prática de atividades físicas e meditação. Em casos mais graves, pode haver o acompanhamento psiquiátrico e a indicação de medicamentos. O importante é procurar ajuda especializada o quanto antes para que a reversão do quadro seja rápida e, mais importante, eficaz.

Alerta ligado

Alguns sinais indicam que algo não está bem com sua saúde. No caso do transtorno de ansiedade, atente-se a estes sintomas:

  • Físicos: dor de cabeça, dor de estômago, rigidez muscular, insônia, suor, tontura, aceleração dos batimentos cardíacos e falta de ar.
  • Cognitivos: preocupação excessiva, atenção prejudicada, irritabilidade, pensamentos: “e se eu não conseguir”, “e se der tudo errado”, “não vai dar certo”, “vou morrer”, “não vão gostar de mim” e “uma tragédia vai acontecer”.
  • Comportamentais: evitar determinadas situações, roer unhas, dificuldade para falar, comer compulsivamente e isolamento social.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Cleunice Menezes, psicóloga e psicanalista; Lígia Venturineli, psicóloga da AzimuteMed – Treinamento & Qualidade, de São Paulo (SP).

Texto e entrevistas: Natália Negretti – Edição: Augusto Biason / Colaborador

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.