O que fazer quando a ansiedade afeta as crianças?

Entenda como a ansiedade, que tanto prejudica os adultos pode atingir os pequenos. Além disso, confira o que os especialistas tem a dizer sobre isso!

None
Foto istock.com/getty images

por Redação Alto Astral
Publicado em 03/05/2017 às 10:07
Atualizado às 13:45

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A ansiedade já não é mais um problema relacionado apenas aos adultos com suas rotinas atribuladas. O período da infância, marcado por brincadeiras, jogos, momentos de descontração e rotina tranquila, também está propenso, nos dias de hoje, a desenvolver quadros de transtorno de ansiedade, dependendo do ambiente em que a criança está inserida. De acordo com a Associação Americana de Ansiedade e Depressão, uma em cada oito crianças apresenta algum distúrbio desse tipo, desde quadros mais leves até mesmo patológicos.

criança sentada com um ursinho

As crianças também estão sujeitas ao estresse do a dia FOTO: istock.com/getty images

Preocupação futura

A ansiedade é considerada uma emoção, muitas vezes incômoda e natural, que antecede alguma situação esperada. “Esse sentimento diz respeito a um excesso de futuro, preocupar-se com algo (pré ocupar-se ou ocupar-se antes do tempo) que ainda nem aconteceu”, explica o psicólogo Roberto Debski.

Infância apreensiva

Todo mundo experimenta o sentimento de ansiedade ao longo da vida. Seja em uma perda afetiva ou material, um grande trauma ou em uma oportunidade de emprego importante, por exemplo. É natural que situações desconhecidas ou novas causem preocupações e certo receio. No caso das crianças isso não seria diferente: é na fase da infância em que estão conhecendo o mundo. Crianças pequenas podem apresentar sintomas de ansiedade sempre que se afastam dos pais, por sentirem medo e desconfiança.

criança triste

Mudança de casa e novas amizades, por exemplo podem desencadear ansiedade Foto: Shutterstock.com

Entre seis e oito anos de idade, o sentimento pode ser causado pelo desempenho na escola e amizades. Além disso, mudanças significativas, como mudar de colégio ou de casa, separação dos pais e perda de entes queridos, também podem desencadear processos de ansiedade. No Brasil, uma pesquisa feita pelo Centro de Atendimento e Pesquisa de Psiquiatria da Infância e Adolescência (Capia), da Santa Casa do Rio de Janeiro, mostrou que, em dez anos, o número de crianças com o transtorno cresceu 60%. Antes, de 40 pacientes atendidos, cerca de oito saíam com o diagnóstico de ansiedade. Hoje em dia, o número aumentou para 13.

Texto Redação Alto Astral  | Consultoria Roberto Debski, psicólogo

Leia também:

TAGS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.