Alzheimer: entenda como a doença age no cérebro

A doença de Alzheimer causa grandes prejuízos cognitivos, mas você sabe como o distúrbio se desenvolve no cérebro? Descubra!

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 08/12/2016 às 08:57
Atualizado às 12:54

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A atuação da doença de Alzheimer (DA) no cérebro é perceptível ao olhar. A massa cerebral diminui e a área relacionada à memória também sofre uma diminuição altamente considerável, fatores desencadeados pela morte das células nervosas.

Confira em detalhes, segundo o neurologista Martin Portner, as principais áreas do órgão que são afetadas pela doença:

• Hipocampo: região responsável pela formação de novas memórias. Na DA, o volume e a proporção desta região são reduzidas em até 25%. Esta é a parte do cérebro por onde a doença de Alzheimer começa – o que se observa nesta fase é a perda da memória de curto prazo.

lapis borracha neuronio alzheimer

FOTO: Shutterstock.com

• Amígdala: responsável pela experiência e expressão das emoções. Na doença de Alzheimer, a pessoa muitas vezes tem emoções vazias; em outras, apresenta explosões emocionais desproporcionadas.

• Cerebelo: área ligada à coordenação dos movimentos voluntários – como atitude, postura, fala, funções motoras e também a coordenação das manifestações emocionais. É geralmente afetada em fases posteriores da DA.

• Corpo caloso: esta região é fundamental para a permuta de informação entre os hemisférios direito e esquerdo do cérebro. Frequentemente atacada na DA, o comprometimento do corpo caloso conduz à perda de velocidade de processamento para respostas cognitivas, memória, comportamentos e desempenho da função motora.

• Tálamo: localizado logo acima do tronco cerebral, é responsável pela retransmissão dos sinais motores e sensoriais captados no corpo para o córtex cerebral. Ele também regula o sono e o estado de alerta. O comprometimento desta área do cérebro pode alterar a consciência e prejudicar a memória, atenção e motivação.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevista: Jéssica Pirazza/Colaboradora – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultoria: Martin Portner, neurologista, escritor e palestrante