ESTILO DE VIDA

5 alimentos poderosos que reduzem o colesterol

Prevenir que o colesterol ruim esteja com os níveis acima do desejado é o principal passo para afastar doenças do coração!

None
FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 12/09/2016 às 17:34
Atualizado às 20:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O colesterol é uma gordura que se encontra ligada a proteínas e que está presente na corrente sanguínea, atuando na cicatrização e em reservas energéticas, formando uma camada gordurosa. Dessas proteínas, as mais famosas são a LDL ( lipoproteína de baixa densidade) e o HDL (lipoproteína de alta densidade). “O colesterol é produzido pelo fígado, através da ingestão de alimentos com componentes gordurosos”, afirma Américo Tângari Jr, cardiologista do Hospital da Beneficência Portuguesa de São Paulo. Mas você sabia que um é considerado bom no organismo e o outro é ruim?

Colesterol “ruim”

O LDL é considerado ruim por ser uma lipoproteína, ou seja, é produzida pelo fígado para carregar o colesterol na corrente sanguínea. Quando essa substância está em excesso no organismo, ela acarreta no aumento dos níveis de gordura no sangue e, consequentemente, na deposição nas paredes dos vasos, ocasionando a arterioesclerose.

O LDL é causado devido ao sedentarismo, aumento da massa corporal, além da má alimentação e hereditariedade. E é esse tipo que deve ser reduzido no organismo. Veja 5 principais alimentos que ajudam nessa missão:

Saiba mais sobre colesterol:

Poluição em excesso engorda e eleva o índice

Como diagnosticar e tratar a doença

5 alimentos perigosos

Índice ideal

No caso do HDL, que é considerado o colesterol bom, o aconselhável é que o valor seja igual ou superior a 60mg/ dl. Mas atenção: se for inferior a 40 mg/dl, no caso dos homens, e 50mg/ dl, no casos das mulheres, também é preciso consultar um profissional.

Já no caso do mau colesterol (LDL), a sua concentração no sangue deve ser menor do que 100 mg/dl. Fique atento se os valores estiverem entre 160 e 189 mg/dl, pois são considerados altos e maiores que 190 mg/ dl são considerados muito altos.

Consultoria Isa Bragança, cardiologista da Cardiomex; Américo Tângari Jr, cardiologista do Hospital da Beneficência Portuguesa de São Paulo; Catarina Quirino de Freitas Stocco, nutricionista