O álcool corta o efeito do antibiótico? Tire sua dúvida!

O álcool não interrompe diretamente o efeito do antibiótico, mas a indicação é: quando estiver tomando o medicamento, evite beber. Entenda o motivo!

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/08/2016 às 17:47
Atualizado às 11:30

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Um colega de trabalho nega um copo de chope em um happy hour porque está tomando antibiótico e não quer consumir álcool para não “cortar o efeito” do medicamento. “Mas quem falou que corta?”, alguém prontamente questiona. Seria isso um mito? 

bebida alcoólica relação com antibiótico gif pessoa bebendo

FOTO: Reprodução

Segundo a farmacêutica Sarah Bastos Vieira Faria, o álcool não corta diretamente o efeito do antibiótico, mesmo se for ingerido em altas doses. “O problema do álcool está relacionado à sua toxicidade para o fígado. Como esse órgão metaboliza os medicamentos e também o álcool, pode haver maiores efeitos colaterais, além da possibilidade do medicamento não ser metabolizadocompletamente”, afirma.

Mesmo assim, apesar de não cortar a ação de medicamentos, bebidas alcoólicas podem potencializar o resultado de alguns, aumentar a toxicidade de outros e provocar efeitos colaterais. “Existem dois tipos de antibióticos que não devem ser misturados com bebidas: o metronidazol e o tinidazol. A interação dessas substâncias com álcool pode provocar dor de cabeça, queda da pressão e até desmaios.

remédio antibiótico mistura com álcool

FOTO: iStock.com/Getty Images

Mas o perigo mora mesmo na mistura de bebidas alcoólicas com fármacos para tratamento de problemas neurológicos e psiquiátricos”, afirma Thiago Mattar Cunha, professor doutor do Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto (FMRP).

Para resumir: de acordo com Sarah, enquanto estiver ingerindo algum tipo medicamento, o mais indicado é não fazer uso de bebida alcoólica.

SAIBA MAIS

5 dúvidas sobre remédios para dor de cabeça

Remédios antidepressivos viciam?

Cuidado com remédios para emagrecer!

Texto: Ana Beatriz Garcia Edição: Érika Alfaro Arte: Guilherme Laurente

Consultoria: Thiago Mattar Cunha, professor doutor do Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto (FMRP) e Sarah Bastos Vieira Faria, farmacêutica.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.