Veja como ajudar o seu intestino a funcionar melhor e diminua o volume da barriga

Ter uma alimentação rica em fibras, além de praticar exercícios físicos regularmente, é o segredo para ajudar o seu intestino a funcionar melhor

None
Foto: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 12/12/2017 às 11:03
Atualizado às 12:39

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

São necessários três fatores para ajudar o seu intestino a funcionar regularmente: uma dieta adequada em fibras, água em quantidade suficiente para lubrificar o organismo e a prática regular de atividade física. Caso um desses pilares seja esquecido, não dá outra: o intestino fica preguiçoso e a barriguinha ganha aquele aspecto estufado. “Não existe apenas um alimento que vá solucionar o problema da prisão de ventre, mas sim a adoção de hábitos de vida mais saudáveis”, comenta a nutricionista Ana Paula Murbach, de Curitiba (PR).

Fibras para ajudar o seu intestino

Quando o assunto são fibras, especialistas recomendam o consumo de 20g a 40g desse nutriente para que a digestão funcione a todo vapor. Para dar conta dessa cota diária, não faltam nos supermercados produtos industrializados acrescidos de fibras sintéticas, como sucos, iogurtes e biscoitos. Há ainda a opção da fibra em pó vendida em sachês, que pode ser acrescentada até em um copo d’água sem maiores problemas. “Quando consumidos com orientação de um profissional qualificado, esses produtos podem contribuir para o tratamento da obstipação. Mas, se a dosagem não for controlada, eles acarretam alguns prejuízos ao corpo”, diz Ana Paula Murbach. “Tudo em excesso faz mal e isso não é diferente com as fibras. Seu consumo excessivo pode prejudicar a absorção de vitaminas e minerais”, alerta a especialista. O líquido também tem um papel importantíssimo no bom funcionamento intestinal, já que ajuda na formação do bolo fecal. Na falta de um consumo adequado (os médicos indicam a ingestão de pelo menos 2 litros de água por dia!), as fezes ficarão endurecidas e difíceis de serem expelidas. A longo prazo, isso pode acarretar problemas mais sérios ao organismo, como o desenvolvimento de um câncer de cólon.

Escolha certa

Você pode dar uma boa ajuda ao seu intestino compondo as refeições com alimentos que estimulem o seu funcionamento e cortando da lista aqueles que atrapalham a digestão. “Produtos ricos em gordura animal e açúcar refinado, bolos, biscoitos, pães, arroz e massas devem ser evitados porque não possuem fibras na sua composição. Substitua-os pelas suas versões integrais”, orienta a nutricionista. Os medicamentos laxativos devem ser evitados a todo o custo, já que o organismo pode se tornar dependente deles para funcionar. “Em casos ainda mais graves, os laxantes podem agredir as vilosidades intestinais, prejudicando-as”, complementa. Caso o intestino acorde preguiçoso, a nutricionista Ana Paula Murbach recomenda uma receitinha caseira infalível: cozinhe 100g de damasco, 100g de ameixa-preta e 100g de tâmara. Na seqüência, bata tudo no liquidificador com 200g de sementes de linhaça e guarde a mistura em um recipiente tampado na geladeira. “Consuma 2 colheres (sobremesa) ao dia: uma de manhã em jejum, e outra à noite, antes da última refeição”, indica.

Exercícios

Exercícios físicos também são fundamentais para quem sofre de constipação. Além de ajudarem a fortalecer o abdômen, eles contribuem para o peristaltismo intestinal, que é o movimento responsável por eliminar as fezes do organismo. “O tipo de exercício é indiferente, o importante é se movimentar”, finaliza a nutricionista Ana Paula Murbach.

Acerte os ponteiros

Uma forma prática de combater a constipação é tentar acostumar o intestino a funcionar num determinado horário. Para acertar os ponteiros, escolha uma hora do dia e passe 15 minutos no banheiro, esperando o intestino trabalhar.

Prevenindo doenças

Mais do que combater a prisão de ventre, as fibras podem prevenir doenças e ajudar na beleza do corpo. Isso porque estudos comprovam que uma dieta rica em gordura animal aumenta a incidência de alterações celulares no intestino grosso, elevando a probabilidade do desenvolvimento de um câncer de cólon. As fibras, por sua vez, atuam como protetoras desse órgão. Já no caso da pele, esse nutriente auxilia no controle da oleosidade de todo o corpo, dando uma mãozinha à assimilação e eliminação da gordura. O resultado é o fim da acne e pele e cabelos macios e sedosos.

Texto: Leonardo Valle/Colaborador | Consultoria: Ana Paula Murbach, nutricionista

LEIA TAMBÉM