Como incluir o gengibre em água, farinha ou cápsula na dieta?

Versátil, o gengibre pode ser utilizado no dia a dia de diversas maneiras. Confira 7 opções para incluir o termogênico na dieta e emagrecer mais rápido

None
Foto: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 27/07/2016 às 19:33
Atualizado às 11:53

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O gengibre tornou-se grande aliado do bem-estar e da perda de peso. Raiz de sabor forte, é originária do oriente e há muito tempo conhecida e usada no preparo de pratos e para fins medicinais, devido à sua ação bactericida, desintoxicante e anti-inflamatória. Além desses benefícios para a saúde, o gengibre confere ação termogênica, capaz de acelerar o metabolismo e queimar gordura localizada, por isso, é bastante indicado para as dietas de emagrecimento. Esse alimento ainda é versátil e pode ser utilizado no dia a dia de diversas maneiras: em pratos quentes, frios, sucos, chás, in natura ou na água saborizada. Confira as  opções para incluí-lo no cardápio!

Água aromatizada

A água de gengibre pode ser consumida ao longo do dia, aumentando a ingestão hídrica diária. Antes do café da manhã, em jejum, é a forma mais usada nas dietas, pois é diurética, combatendo a retenção de líquido comum ao acordar; e termogênica, ativando desde cedo o seu metabolismo. Use um pedaço de gengibre de 2cm para 500ml de água. Você pode deixar descansando por algumas horas na geladeira e beber ao longo do dia. Caso acabe a água, você pode preencher o recipiente com o líquido com os mesmo pedaços de gengibre.

Água de gengibre

Foto: Shutterstock Images

Chá

É muito usado contra gripes e dor de garganta, mas também é termogênico, ou seja, eleva a temperatura do corpo, fazendo o organismo queimar mais calorias para equilibrá-la. Para fazê-lo, adicione 1/2 colher (chá) de gengibre em pó em 1 xícara (200ml) de água quente. “Se preferir usar a raiz fresca, ferva uma rodela de gengibre ralada com 1 xícara (200ml) de água por 10 minutos em fogo baixo. Depois, coe e beba!”, sugere a nutróloga Tamara.

VEJA TAMBÉM

Conheça os 3 melhores adoçantes para a dieta!

Como saber se o que eu sinto é fome e não gula?

Fê Souza ensina a fazer uma sobremesa seca-gordura

 Pasta

Muito usada como acompanhamento de pratos da culinária japonesa, é fácil prepará-la. Corte a raiz in natura bem fininha e bata no liquidificador ou processador até torná-la uma pasta, em seguida, tempere ao seu gosto, evitando o uso de sal.

 Cápsula

“É feita de gengibre em pó e tem uma ação bem reduzida devido à forma de absorção da versão in natura”, conta Bruna. Em geral, recomenda-se ingerir uma cápsula antes de cada refeição principal (café da manhã, almoço e jantar).

Farinha ou pó

É possível encontrar no supermercado e também dá para fazer em casa. “Corte o gengibre em lascas bem finas, disponha em uma assadeira e deixe no forno até secar completamente (sem queimar), depois bata no liquidificador. Se estiver realmente seca, formará a farinha”, explica a nutricionista Bruna Quaglio. Consuma, polvilhando 1 colher (sobremesa) na salada ou em forma de chá.

Gengibre em pó

Foto: Shutterstock Images

Desidratado

Ótimo para combater dores de garganta, essa versão contém poucas calorias e pode ser mastigada. Para fazer, corte lascas bem finas da raiz, disponha em uma assadeira e leve ao forno até ficar bem seco. Espere esfriar para mastigá-lo.

Conserva

Ótima como tempero de pratos. “Como vai açúcar em seu preparo, ela é uma receita mais calórica, devendo ser evitada”, revela a nutricionista. Para fazê-la, cozinhe lascas de gengibre junto com açúcar ou adoçante tipo forno e fogão, vinagre e sal. Transfira a mistura para um pote de vidro e deixe reservado por dois dias na geladeira antes de usar.

Contraindicações

A raiz pode aumentar a pressão arterial, sendo não recomendada para hipertensos e pessoas com problemas cardíacos. Gestantes, crianças e adultos com deficiência na tireóide (como hipertireóide) devem consultar um médico antes de ingerir. O consumo de gengibre deve ser de até 4g por dia, caso contrário, pode provocar azia e diarréia.

Consultoria: Bruna Quaglio, nutricionista especializada em nutrição aplicada ao exercício físico, instagram.com/dicasdenutricionista; Tamara Mazaracki, médica nutróloga e ortomolecular, www.tamaramazaracki.med.br

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.