30% dos trabalhadores possuem burnout. Veja como vencer

Competitividade no trabalho, busca por resultados e perigo de demissão são principais causas da síndrome de burnout. Veja como superar o distúrbio

None
FOTO: Vinicius Tupinamba / Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 02/01/2017 às 10:21
Atualizado às 13:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Atualmente Descrito pela primeira vez na década de 1970 pelo psicanalista germano-americano Herbert Freudenberger, o burnout tem atingido níveis assustadores nos últimos anos. Segundo dados da seção brasileira da International Stress Management Association (ISMA-BR), uma associação voltada ao controle do estresse, cerca de 30% da população de trabalhadores do Brasil sofre com a síndrome de burnout. A pesquisa foi realizada entre pessoas de 25 a 60 anos das cidades de São Paulo (SP) e Porto Alegre (RS).

Burnout: profissionais de algumas áreas são mais propensos à síndrome

FOTO: Vinicius Tupinamba / Shutterstock.com

Diversos fatores contribuem para o aumento desse espantoso número. De acordo com a psiquiatra Emanuella Novello Halabi, com a competição do mercado, o estresse pode ser algo comum e proveitoso, já que direciona na tomada de decisões profissionais e de trabalho. “Contudo, se esse estímulo estressante se mantém, pode se tornar algo extremamente agressivo à saúde mental de uma pessoa. Além disso, a produtividade – chamada de ‘reestruturação produtiva’ – tornou-se uma exigência muito maior, abrangendo mais e mais atividades delegadas a somente uma pessoa”, explica a especialista. Ademais, não é apenas o trabalho que gera a síndrome de burnout: a possibilidade de demissões em massa também é apontada como fator.

Para vencer

Por se tratar de um transtorno diretamente ligado à atuação profissional, as primeiras atitudes a serem consideradas devem estar relacionadas à atividade. Para os especialistas, é preciso avaliar se o ambiente do trabalho possui fatores que causam o estresse ou se são as atitudes da própria pessoa que passam a ser o ápice de tal acometimento. Além disso, é necessário observar se a causa do esgotamento está ligado ao emprego atual ou se há relação com a profissão em si.

Observado o problema, o acompanhamento se dá com um psiquiatra, que ministrará o uso de medicamentos recomendados, aliado à psicoterapia. “Junto à terapia, aconselha-se a busca de ações que visem melhorar a qualidade de vida, prevenindo o estresse e garantindo boa saúde física, como dormir bem, equilibrar a alimentação, praticar atividades físicas e atividade prazerosa e interações sociais saudáveis”, aconselha o psicólogo Davi Ruivo.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Davi Rodriguez Ruivo Fernandes, psicólogo da clínica Elabore – Psicologia & Saúde, em Santo André (SP); Emanuella Novello Halabi, psiquiatra.

Texto e entrevistas: Augusto Biason/Colaborador

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.