3 doenças que afetam as crianças: veja os sintomas

Confira os sintomas de sarampo, micose e icterícia, doenças que afetam as crianças e bebês e veja como cuidar

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/09/2016 às 11:32
Atualizado às 13:16

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Crianças pequenas ainda não possuem o sistema imunológico preparado para combater certos invasores. Por isso, é importante que os pais fiquem atentos aos sintomas e prestem atenção nas mudanças de comportamento do bebê ou da criança. Algumas doenças são comuns na infância e têm tratamento simples, mas é preciso sempre consultar um médico antes de dar remédio aos pequenos. Veja os sintomas de 3 doenças que afetam as crianças e saiba como tratar.

Sarampo

O que é? Doença causada por vírus, caracterizada por pequenas erupções na pele que se alastram do rosto para o corpo. Há ainda febre alta e muita tosse. Ela pode evoluir para quadros clínicos mais graves, gerando pneumonia, surdez e problemas cerebrais. Esses casos, porém, são raros em crianças saudáveis.

Prevenção: vacinação.

Tratamento: não há um tratamento específico, mas, sim, acompanhamento médico.

Confira os sintomas de sarampo, micose e icterícia

FOTO: Shutterstock Images

Micose

O que é? Infecções de pele causadas por fungos que se proliferam em locais quentes e úmidos. Há diversas alergias derivadas desses agentes, cujos sintomas são característicos.

Prevenção: ao sair do banho, seque bem o espaço que fica entre os dedos do pequeno, a axila e a virilha. Essas áreas também devem ser bem higienizadas. Tecidos feitos de algodão (principalmente meias) também são indicados como prevenção.

Tratamento: cremes de aplicação tópica. Só quando o vilão é um fungo resistente que o médico indicará remédios de via oral. Do mais, tenha paciência, porque as infecções de pele são bem chatinhas de tratar

Icterícia

O que é? Pele e olhos do bebê ganham uma coloração amarelada. Ela é reflexo da liberação no sangue de um pigmento (bilirrubina) provindo de hemoglobinas destruídas. Sua destruição está relacionada ao funcionamento não tão eficiente do fígado do pequeno (ainda em formação) e à incompatibilidade entre o fator RH do sangue da mamãe e o do filhote. Em geral, a icterícia desaparece naturalmente. Porém, em alguns casos raros, o aumento acentuado do pigmento prejudica o sistema neurológico.

Prevenção: exames do pré-natal identificam a incompatibilidade entre os fatores RH.

Tratamento: banho de luz logo após o nascimento e banhos de sol no dia a dia fazem o organismo eliminar os pigmentos. No caso de produção intensa de bilirrubina (o que é raro), pode haver a necessidade de ingestão de albumina (proteína presente no leite da vaca), troca de sangue do recém-nascido ou administração de remédios.

Matéria publicada na revista Guia do Bebê: Fisher Price da Editora Alto Astral

Revisão: Mariana Kohlrausch

SAIBA MAIS

Antibióticos para crianças: use com moderação

Bebês: desvendando as alergias