ESTILO DE VIDA

Dos 20 aos 60: exames e cuidados necessários em cada etapa da vida

Com o passar dos anos, as prioridades de saúde acabam mudando. Saiba quais são os cuidados e exames necessários em cada idade.

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 18/08/2016 às 19:36
Atualizado às 15:24

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Em 2012 o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou dados animadores: os brasileiros de ambos os sexos chegam, em média, a 74,6 anos de vida. O avanço da escolaridade, o aprimoramento da rede de saneamento
básico, da saúde e, claro, a noção da importância em realizar exames periódicos, colaboram para o aumento da expectativa de vida. A seguir, selecionamos os principais cuidados que as pessoas devem ter em cada etapa da vida. Confira!

Mulher, médica, estetoscópio, papel, exame, batimento cardíaco

Foto Shutterstock.com

20 e poucos anos

Nessa idade, é normal não se preocupar muito com a saúde e deixar os exames e cuidados de lado. Mas é na juventude que os cuidados devem começar.

Pele: A oleosidade e tendência a espinhas e cravos é comum, fazendo com que a limpeza de pele torne-se a principal preocupação. “Se há oleosidade, mesmo discreta, lave bem o rosto de manhã e à noite com sabonetes antioleosidade (à base de ácido salicílico, enxofre e sulfacetamida). Em seguida, complete a limpeza com algodão embebido num loção adstringente hidroalcoólica, para retirar os resíduos de maquiagem, poluição e secreção das glândulas”, conta Ligia Kogos, dermatologista. É fundamental manter a pele hidratada com um produto próprio para o seu tipo de pele e nunca esquecer do protetor solar com, no mínimo, FPS 30.
Coração: a primeira avaliação cardiovascular deve ocorrer por volta dos 25 anos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), realizar exames regulares a partir dessa idade aumenta as chances da pessoa chegar aos 75 anos sem sofrer um infarto. Os principais exames solicitados são o eletrocardiograma, o teste ergométrico e o ecocardiograma.
Intimidade: as mulheres têm que realizar o exame de papanicolau, a fim de rastrear o câncer do colo do útero. “Sabe-se que as alterações nesse exame são decorrentes, principalmente, pelo HPV, o qual é adquirido, em grande parte, logo após o início da atividade sexual, sendo a faixa etária compreendida entre 15 e 29 anos”, afirma Renato de Oliveira, ginecologista. O aprendizado do autoexame para as mamas também é recomendado. Já os homens precisam observar a região genital, buscando inchaços anormais ou protuberâncias nos testículos.

30 a 40 anos

Nessa faixa, o metabolismo fica mais lento e há perda de tecido muscular.

Pele:de acordo com o estilo de vida que se teve nos últimos dez anos, poderá se perceber algumas alterações na pele, como manchas, ressecamento do rosto, ruguinhas finas na lateral dos olhos e olheiras”, esclarece Ligia. Assim, os hidratantes diários com filtro poderão conter estimuladores de colágeno, ativos de efeito tensor, para apagar sinais de cansaço, antirradicais livres e vitaminas.

Coração: a preocupação em realizar exames de rotina deve continuar a mesma. A alimentação correta também ajuda a combater o risco de doenças cardiovasculares.

Intimidade: segundo Renato, com o passar da idade, deve-se avaliar fatores de risco como alimentação inadequada e sedentarismo para definir como acompanhar cada paciente, além do exame de papanicolau. As mulheres também devem ficar atentas ao sistema reprodutivo, pois os casos de câncer de colo de útero e de mama costumam aumentar.

Entre 40 e 50 anos

Ao chegar à meia idade, as pessoas precisam redobrar os cuidados com a saúde.

Pele: “pode-se ter uma aparência de idade absolutamente indecifrável. Mas se houve abusos de sol ou cigarro, a pele poderá mostrar manchas, vermelhidão desgaste e perda de elasticidade”, alerta a dermatologista. O ideal é procurar reservar ao menos 2 horas por semana para exercícios físicos e cuidados, senão o tempo acaba se esvaindo sem que se perceba. “Não fumar é importantíssimo, já que o cigarro gasta o colágeno (responsável por toda a elasticidade da pele). Dormir o suficiente vale ouro também”, completa Ligia.

Coração: torna-se ainda mais importante fazer monitoramento do coração, como por meio do teste ergométrico, no qual a pessoa anda em uma esteira com diferentes velocidades e inclinações. Outros exames também podem ser solicitados e a alimentação equilibrada continua sendo uma aliada para evitar problemas cardíacos.

Intimidade: indicado que a mulher faça a mamografia. O surgimento de nódulos no útero como miomas também são comuns. “O exame de ultrassonografia é bastante útil na identificação, desde que exista suspeita clínica”, conta o ginecologista. Os homens precisam consultar um urologista para realizar o exame de próstata anual.

Saiba mais: 

Pilates na terceira idade traz vantagens à saúde

Infertilidade: conheça os exames necessários para detectar o problema

5 livros que vão agradar todas as idades

60 em diante

Depois de alcançar a terceira idade, o idoso não precisa deixar de lado aquilo que gosta e deve continuar se exercitando – sempre respeitando o limite do corpo.

três mulheres mais velhas sorrindo

Foto Shutterstock.com

Pele: “a pele pode se tornar fina e áspera, a pigmentação se torna irregular e há franca diminuição dos cabelos”, justifica Ligia. Por isso, boa postura, exercícios físicos, cuidado com a saúde geral, horas suficientes de sono e reposição hormonal contribuem muito para que algumas pessoas não venham a ter essas complicações. “Uso de filtros e cremes estimuladores de colágeno, tratamentos como peelings, preenchimentos e laser combatem com grande eficácia os sinais de desgaste”, finaliza a dermatologista.

Coração: além dos exames habituais para risco cardíaco, também é importante a realização de outros exames que possam detectar o diabetes e fazer seu controle.

Intimidade: nesta idade, normalmente o útero e o ovário estão diminuídos em consequência do período pós-menopausa. “A interrupção do rastreamento com o papanicolau deve levar em consideração o histórico da periodicidade e o resultado dos exames já realizados”, conclui Renato. Os demais exames laboratoriais, pesquisa de sangue oculto de fezes, urina tipo 1, mamografia, colonoscopia, também possuem indicações de rotina.

Texto Larissa Tomazini | Consultoria Ligia Kogos, dermatologista; Renato de Oliveira, ginecologista