Giovanna Ewbank fala sobre racismo, feminismo e o ‘surubão de Noronha’

A atriz não teve papa nas línguas

entrevista de Giovanna Ewbank
Foto: Reprodução/Instagram

A entrevista de Giovanna Ewbank à coluna de Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, retratou sobre diversos temas, entre eles, a adoção de seus dois filhos, Titi e Bless, o ‘surubão de Noronha’ e o casamento com Bruno Gagliasso. Além disso, ela contou em primeira mão que irá estrear como apresentadora em um reality show da Netflix.

Perguntada sobre racismo, Giovanna Ewbank se emocionou em falar da luta que os filhos terão que enfrentar. ‘Nunca vou saber o que é passar por um preconceito como esse. Mas tenho filhos que vão passar e, ah.. É muito importante a gente ser antirracista. E vou fazer tudo que puder para combater isso. Independentemente de eu levar porrada por isso, se falarem que não é o meu lugar. Tenho dois filhos negros e vou combater isso de todas as maneiras que eu puder. Quero que eles sejam fortes e tenham orgulho, batam no peito e vão pra cima‘.

View this post on Instagram

Família feliz e transbordando de AMOR…Bless chegou em casa!!! 🙏🏿❤🌻

A post shared by Giovanna Ewbank (@gio_ewbank) on

E a entrevista de Giovanna Ewbank também tocou sobre assuntos ligados a feminismo. A atriz contou como se sente em ser comparada como a ‘mulher de Bruno Gagliasso’. ‘E olha que isso acontece até hoje. Sempre falam que eu estou onde estou porque sou casada com o Bruno. Ainda existe essa coisa da mulher não ser como o homem, e que mulher é sempre burra. Principalmente com o meu esterótipo, de loira, e com o biotipo que eu tenho‘, explicou.

Nós mulheres, estamos num lugar de poder apontar o dedo e falar o que está errado. De nos respeitar e apoiar uma à outra. E apesar do retrocesso que a gente vê na sociedade, existe essa nova geração que luta e bate no peito‘, completou.

E perguntada sobre o ‘surubão de Noronha’, a atriz contou que isso não passa de uma fake news. ‘Essa história é uma lou-cu-ra! Porque, gente, não aconteceu, né! Acredita que tiveram repórteres que vieram me perguntar se o surubão era real? Tem gente que foi jogada nessa história e nunca nem foi pra Noronha. Acho interessante pra gente analisar dentro do contexto de fake news, em que cada um fala o que quer‘.