Zuzu Angel: a mãe que desafiou a ditadura militar brasileira

Diante do sequestro, da tortura e da morte do filho pelos órgãos da ditadura militar, Zuzu Angel decidiu denunciar as brutalidades do regime brasileiro

None
FOTO: Instituto Zuzu Angel

por Redação Alto Astral
Publicado em 13/09/2016 às 14:13
Atualizado às 18:26

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O drama de Zuzu Angel começou em 1971, quando seu filho, Stuart Angel Jones, desapareceu. Ele era estudante de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e militante do MR-8, grupo que lutava contra a ditadura vigente no país. Por meio de uma carta anônima, Zuzu foi informada que o jovem de 25 anos havia sido sequestrado, torturado e morto pelos órgãos de repressão da ditadura militar brasileira. Ao denunciar tais brutalidades, foi ameaçada diversas vezes.

zuzu angel mãe stuart denúncia ditadura militar brasileira

FOTO: Instituto Zuzu Angel

Temendo que algo lhe acontecesse, escreveu cartas nas quais registrou que se aparecesse morta, seria um assassinato. E, em abril de 1976, morreu ao sofrer um acidente (seria isso mesmo?) na saída de um Túnel no Rio de Janeiro.

Importância de Zuzu Angel

No auge da ditadura militar brasileira, Zuzu Angel realizou alguns desfiles-protestos na embaixada brasileira dos Estados Unidos, exigindo enterrar seu filho. Com a dor que sentia diante a perda de Stuart, Zuzu tirou forças para denunciar as atrocidades que ocorriam no país, a morte do filho e a ocultação do corpo.  Suas declarações repercutiram internacionalmente, uma vez que, como estilista, adquiriu fama no Brasil e no exterior.

A história da luta de Zuzu Angel ficou tão famosa que virou um filme que ganhou seu nome. Na produção nacional, a atriz Patrícia Pillar esteve no papel da estilista. Assista o trailer:

SAIBA MAIS

Elisabeth I, a rainha que fez da Inglaterra uma potência mundial

Morte de Getúlio Vargas completa 62 anos

Princesa Isabel: a primeira mulher a governar o Brasil

Texto: Érika Alfaro e Nathália Piccoli / Edição: Érika Alfaro/ Arte: Guilherme Laurente