As verdades bizarras por trás dos contos de fadas

Sabe as histórias que você sempre escutou nos contos de fadas? Pois é, elas não são bem assim...veja a verdade por trás dos contos!

None
Divulgação

por Redação Alto Astral
Publicado em 20/06/2016 às 16:06
Atualizado às 08:20

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Que criança não cresceu escutando histórias? Ou então, quem nunca escutou contos de fadas? As histórias de princesas e príncipes, bruxas e feiticeiras, sapos e anões, lobos e madrastas malvadas fazem parte do imagináriopopular há centenas de anos.

Mas o que pouca gente sabe é que as versões da Disney – as mais populares do mundo -, não são necessariamente as versões “verdadeiras“. É que a maior parte dos contos, que foram escritos pelos irmãos Grimm em 1780, tem lados um pouco mais “pesados“. Para tornar mais acessível para as crianças, Walt Disney fez uma releitura mais leve de diversos contos que na verdade abordavam violências e até abusos.

Malévola

Divulgação

Quer conhecer a verdade por trás de alguns desses contos? Confira!

Cinderela

A história da Cinderela é bem conhecida por aí. Criada pela madrasta e maltratada pelas três filhas desta, ela foge uma noite para participar do baile do príncipe, amparada por sua fada madrinha, que lhe concede um vestido e um sapato de cristal – desde que ela volte antes da meia noite. Ao retornar, ela perde um dos sapatinhos e o príncipe anuncia que se casará com a dona do sapato.

A verdade

Mas em versões mais antigas do conto, Cinderela já foi descrita como uma jovem vingativa, que ficou com tanta raiva da madrasta que a assassinou, fechando uma tampa de baú na cabeça dela! A versão dos Irmãos Grimm, na verdade, é ainda um pouco mais sangrenta. Eles contam que as irmãs de Cinderela, para terem a oportunidade de provar o sapato e se casar com o rei, cortam fora os próprios dedos e calcanhares para que coubessem no sapatinho. Ao perceber as manchas de sangue, o príncipe pediu que chamassem a outra moça da casa, e depois que Cinderela o prova, eles se casam. Como vingança, no dia do casamento pássaros bicam os olhos das irmãs e da madrasta para castigá-las pela maldade. Bizarro!

Cinderela

Divulgação

Branca de Neve e os Sete Anões

Na longa história da Branca de Neve, a madrasta malvada a manda para floresta para ser morta, já que foi anunciado que o reino um dia seria da mulher mais bonita dali, que no caso, era Branca. A madrasta pede a um caçador que traga como prova o coração da menina. Mas lá, o caçador se compadece e permite que a menina fuja, se abrigando na casa dos Sete Anões. Ao descobrir que ela continuava viva, a madrasta se veste de bruxa e a dá uma maçã envenenada, cujo efeito só vai passar depois de ser salva por um príncipe.

A verdade

Na primeira versão escrita pelos Irmãos Grimm, quem queria ver a menina morta era a própria mãe! A megera manda matá-la depois de ouvir do espelho mágico que a menina é a mais bonita do reino. Nessa versão, é a mãe que se disfarça e vai até a floresta, e quando encontra Branca na casa dos Sete Anões, oferece um corpete para a menina, amarrando a fita tão forte que isso a sufoca até a morte. Mas mais tarde, os anões afrouxam a fita e ela volta a vida.

No dia seguinte, a rainha retorna e dessa vez passa um pente envenenado no cabelo de Branca, que morre novamente. Ela ressuscita (de novo) depois que os anões retiram o objeto. Na terceira tentativa, a rainha consegue matá-la com uma maçã envenenada. Branca de neve é salva algum tempo depois pelo príncipe, os dois se casam e a jovem convida a mãe para a cerimônia – mas chegando lá, a mulher é obrigada a dançar até a morte com sapatos de ferro em brasa! Nada a ver com a história que conhecemos, né?

Branca de Neve e os sete anões

Divulgação

Chapeuzinho Vermelho

Nas duas versões, a história é a mesma: a mãe de uma garotinha pede que ela leve uma cesta de doces até sua avó, que mora muito longe, e a alerta a não falar com ninguém ao longo do caminho. Tudo estava bem até ela encontrar um lobo malvado, que engana a garota. O lobo chega primeiro na casa, devora a vovó e fica à espera de Chapeuzinho, que ao chegar, é devorada também. Mas as duas são salvas por um corajoso caçador, que abre a barriga do bicho.

A verdade

A versão original é bizarramente mais violenta do que os contos da Disney. Para começar, a figura do caçador nuncaexistiu na primeira versão do conto. O lobo continua sendo uma figura astuta, malvada e de boa lábia. Mas pra além disso, a história possui uma porção de simbolismos: a cor vermelha do capuz de Chapeuzinho foi escolhida para representar o ciclo menstrual, enquanto o lobo era uma alusão aos instintossexuais do ser humano.

Na versão original, o lobo mata a vovozinha e a comepedaçopor pedaço. Quando a garota chega, ela encontra o lobo fantasiado de sua avó, e este a convida para jantar – o que a menina não percebe é que o jantar são justamente os pedaços de sua avó. Como se não bastasse toda a bizarrice do conto, nada de final feliz: o lobo deita-se na cama e manda que a menina se deite com ele. É nessa hora que ela faz as clássicas perguntas e acaba sendo devorada pelo animal.

Chapeuzinho Vermelho

Divulgação

Bela Adormecida

Na versão da Disney, tudo começa com o nascimento da princesa Aurora, que tem como convidadas três fadas madrinhas que lhe oferecem de presente de batismo alguns dons. Mas a fada Malévola, ofendida por não ter sido convidada, aparece e joga a conhecida maldição na princesa: assim que completasse 16 anos, espetaria o dedo numa roca de fiar e morreria. A maldição é amenizada pela terceira fada, que muda o feitiço para um sono profundo. Como previsto, aos 16 anos a menina fura o dedo e adormece, sendo salva muito tempo depois pelo beijo de um príncipe.

A verdade

Na versão original, a história é um pouco mais aterrorizante. Após um tempo adormecida, um rei – que era casado -, aparece, encontra a jovem desacordada, a estupra e vai embora! Depois de nove meses, ela dá a luz a gêmeos – ainda adormecida -, e com fome, eles buscam o leite materno. Uma das crianças chupa o dedo da mãe e retira o espinho enfeitiçado, fazendo com que ela acorde. A jovem olha ao redor e não entende nada!

Ela tenta retomar a vida com os dois filhos, até que um dia o rei retorna e decide manter uma vida paralela com a moça, visitando a esposa de vez em quando. Mas a mulher começa a desconfiar da traição e manda um criado segui-lo, descobrindo tudo. Furiosa, ela dá um jeito de trazer as crianças até o castelo para fazer um jantar com os órgãos deles. A ideia não dá muito certo, e não contente, ela exige que Bela Adormecida seja jogada na fogueira. Ao descobrir toda a trama, o rei aparece, salva a jovem e os filhos e manda jogar a rainha na fogueira. Tenso!

Bela adormecida

Divulgação

Colaboração: Natalia Pinhabel

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.