Conheça as palavras alvos de discordância da Bíblia

Essa pode ser uma dentre tantas outras partes da Bíblia que gerou interpretações distintas, porém a discordância dura até os dias atuais. Conheça!

None
FOTO: iStock/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 17/01/2017 às 12:57
Atualizado às 17:12

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Mateus 16:18: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja”.
Segundo o cientista da religião Pedro Lima Vasconcellos, essa pode ser uma dentre tantas outras partes da Bíblia que gerou interpretações distintas. De acordo com o especialista, as razões para diferentes leituras são muitas, os contextos em que são elaboradas, os interesses e os objetivos de quem o faz e também as diversas ideias que o texto deixa em aberto.

bíblia-discordência-óculos

FOTO: iStock/Getty Images

Pedro Lima Vasconcellos destaca que, apenas no que diz respeito à identidade dessa pedra sobre a qual Jesus edifica sua Igreja, existem pelo menos quatro entendimentos:

Para alguns (o teólogo Orígenes de Alexandria, do século III), a pedra seria cada cristão – uma interpretação mais mística, digamos assim, baseada no fato de que em outras passagens bíblicas ‘pedra’ é uma metáfora para designar uma pessoa cristã”, explica Pedro Lima Vasconcellos.

O profissional acrescenta que entre os séculos IV e VII predominou o entendimento de que a pedra seria a confissão de féque Pedro faz, segundo o texto, de Jesus como filho de Deus. Essa percepção estava relacionada com as controvérsias pelas quais o Cristianismo passava na época, como aquelas que ocasionaram o concílio de Niceia (325) ou aquelas que sustentaram as polêmicas com o Islamismo nascente.

Concomitante à anterior se desenvolveu, especialmente no Ocidente, e por influência de S. Agostinho, o entendimento de que tal pedra só poderia ser o próprio Jesus (também se encontram na Bíblia passagens para sustentar essa associação); nenhum ser humano, em sua fraqueza e falibilidade, poderia sustentá-la, esclarece o especialista, que ainda complementa que essa foi a posição predominante em toda a Idade Média e se encontra hoje especialmente nas reflexões no mundo evangélico.

bíblia-cruz-discordância

FOTO: Shutterstock Images

Por último, o cientista da religião conclui que uma posição minoritária nos primeiros 1500 anos de história cristã tornou-se a posição quase ‘oficial’ no mundo católico: a pedra não é ninguém menos que o próprio Pedro (e aqueles reconhecidos como seus sucessores, os papas).

LEIA TAMBÉM

TEXTO: Érika Alfaro  EDIÇÃO: Nathália Piccoli

CONSULTORIA: Pedro Lima Vasconcellos, cientista da religião, especialista em pesquisas bíblicas e professor do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Alagoas.