ENTRETENIMENTO

A origem do aço inox: das armas para as panelas e talheres

O aço inox foi desenvolvido, originalmente, para ser usado na fabricação de armas e motores, aumentar a durabilidade e resistência destes

None
O aço inox se faz presente no nosso cotidiano em diversos objetos, como nas panelas. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 17/08/2016 às 16:46
Atualizado às 18:11

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Não é tão difícil de acreditar. Afinal, um dos elementos mais utilizados em armamentos e outros equipamentos de guerra são justamente os metais, devido principalmente à sua resistência. O aço inox, apesar de num primeiro momento ter sido descartado – seu inventor achou que sua experiência não tinha dado certo -, logo se tornou matéria-prima básica para os exércitos de todo o mundo. E hoje se faz essencial também dentro de nossas casas.

Homens, combate, segunda guerra mundial

O aço inox foi desenvolvido, originalmente, para ser utilizado na produção de armas e motores durante a guerra. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

Anti-ferrugem

Esse material está presente na pia da sua cozinha, nos talheres, nas moedas, em equipamentos hospitalares… Hoje, graças ao inglês Harry Brearley, você pode usar o mesmo garfo mais de uma vez, sem ele enferrujar. Em 1913, militares britânicos buscavam um metal mais resistente para ser usado nas armas. Entre suas experiências, Brearley adicionou cromo ao aço, mas, pensando que não tinha dado certo, deixou a experiência de lado. Só depois percebeu que suas amostras não tinham enferrujado e percebeu sua utilidade. Ainda na Primeira Guerra, o aço começou a ser empregado em motores e armas.

Panelas, aço inoxidável, fundo branco

O aço inox se faz presente no nosso cotidiano em diversos objetos, como nas panelas. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

SAIBA MAIS

Camisinhas de materiais alternativos já foram a solução

Você sabia que o Nylon foi descoberto por acaso?

Texto: Ricardo Piccinato Edição: João Paulo Fernandes