Quem foi Onã? Conheça a história do personagem bíblico

Neto do patriarca Jacó e filho de Judá, Onã tem que se casar com a cunhada depois da morte do seu irmão. Saiba mais sobre o destino do personagem bíblico

None
FOTO: Horace Vernet (1789–1863)/Wikimedia Commons

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/09/2016 às 14:15
Atualizado às 18:25

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A Bíblia possui muitos personagens que aparecem rapidamente e, por isso, são considerados “figurantes”. Outros, deixam diversas indagações que exigem uma análise mais profunda por parte de especialistas. Mas, mesmo assim, muitos ainda representam mistérios bíblicos. Neto do patriarca Jacó e filho de Judá, Onã é citado em Gênesis, no Antigo Testamento.

Com a morte de Er, seu irmão e primogênito, seguindo a tradição, Onã estava destinado a se casar com Tamar, sua cunhada – o livro sagrado não explica o motivo do falecimento de Er, apenas é citado que o homem foi morto por Deus. “Er, porém, o primogênito de Judá, era mau aos olhos do Senhor, por isso o Senhor o matou” (Gênesis 38:7) .

quadro Horace Vernet Judá e Tamar história de onã

Quadro que retrara Tamar e Judá (FOTO: Horace Vernet (1789–1863)/Wikimedia Commons)

Dessa maneira, Onã deveria ficar com a mulher de seu irmão. Se eles tivessem um filho, ele seria considerado o herdeiro de Er. Caso contrário, a herança seria de Onã.  Assim, todas as vezes que tinham relações sexuais, Onã ejaculava no chão, sendo este o primeiro relato de coito interrompido registrado na Bíblia em Gênesis (38:9) : “Onã, porém, soube que esta descendência não havia de ser para ele; e aconteceu que, quando possuía a mulher de seu irmão, derramava o sêmen na terra, para não dar descendência a seu irmão“.

No trecho seguinte, o destino de Onã foi revelado: “E o que fazia era mau aos olhos do Senhor, pelo que também o matou” (Gênesis 38:10).

SAIBA MAIS

Jardim do Éden: o mistério da sua localização

Quem era Melquisedeque, figura emblemática da Bíblia?

Texto: Nathália Piccoli Edição: Érika Alfaro