Redação: aprenda as funções poética, metalinguística e referencial!

Após apresentarmos as funções emotiva, fática e conativa, falaremos sobre as três restantes: metalinguística, poética e referencial

None
FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 24/10/2016 às 11:45
Atualizado às 18:50

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Seis elementos compõe o processo de comunicação: o emissor, o receptor, o canal, o código, a mensagem e o contexto. Se vermos na televisão uma matéria com uma manchete como “Rússia começará a extrair petróleo da Ucrânia”, por exemplo, teremos como emissor o jornalista que elaborou a fala, como receptor o telespectador do programa , como canal a própria rede de televisão em si, como código a língua portuguesa falada, como mensagem a frase: “Rússia começará a extrair petróleo da Ucrânia” e como contexto o assunto de que se trata, no caso, o comércio/extração de petróleo, etc.

Quando um desse elementos é colocado em evidência, surgem as funções da linguagem. No total, existem seis funções, cada uma dando ênfase a um dos elementos citados. É importante lembrar que não é comum encontrar textos que apresentem apenas uma das funções. Geralmente, o mesmo texto apresenta várias funções, sendo que há uma que prevalece. Após apresentarmos as funções emotiva, fática e conativa, falaremos sobre as três restantes: metalinguística, poética e referencial.

professor ensinando, função poética

FOTO: Shutterstock

Função metalinguística

O código é posto em evidência. Há o uso da linguagem para se referir à própria linguagem. Os exemplos mais comuns de textos com essa função são as gramáticas e os dicionários.

Função poética

A mensagem é posta em evidência. O mais importante é a própria mensagem em si, e não o que ela quer dizer. Os exemplos mais comuns são poemas em que a linguagem é visivelmente trabalhada para causar impacto estético.

Função referencial

O contexto é posto em destaque. O que importa é o assunto a ser tratado, não a forma como ele foi tratado. O interesse está no fato a ser apresentado. Os exemplos mais comuns dessa função estão nos textos científicos e jornalísticos.

LEIA TAMBÉM

Texto: Redação Edição: Angelo Matilha Cherubini