Incêndio no edifício Joelma: acidente ou maldição? Entenda

Quarenta anos após incêndio, local onde se encontrava o Edifício Joelma ainda é palco de fenômenos assustadores que relembram o fatídico acidente

None
Palco de uma das maiores tragédias do nosso país, o edifício Joelma sofreu um incêndio que matou 191 pessoas e feriu outras 300, no ano de 1974. FOTO: Reprodução/iStock.com e Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 16/09/2016 às 18:02
Atualizado às 18:30

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

No dia 1º de fevereiro de 1974, o Edifício Joelma foi acometido por um incêndio devastador, que durou cerca de nove horas. Considerado uma das ocorrências mais trágicas da história do Brasil, nele morreram 191 pessoas e outras 300 ficaram feridas.

edifício joelma, prédio

Palco de uma das maiores tragédias do nosso país, o edifício Joelma sofreu um incêndio que matou 191 pessoas e feriu outras 300, no ano de 1974. FOTO: Reprodução/iStock.com e Getty Images

SAIBA MAIS

Edifício Joelma abriga histórias de fantasmas depois da tragédia

Entenda o caso do barco fantasma da Baía de Chacororé

Herança sombria

Restaurado e rebatizado com o nome de Edifício Praça das Árvores, o local ganhou fama de mal-assombrado. Mesmo em cantos vazios, muitos dizem ouvir vozes e pedidos de socorro. Não bastasse isso, um cheiro de queimado “sem razões aparentes” também costuma ser relatado. Além, é claro, de visões horrendas de pessoas caindo pelas janelas, semelhantemente ao que ocorreu no fatídico dia do incêndio.

O começo de tudo

Alguns atribuem a tragédia e o consequente ambiente sobrecarregado à forças malignas que atuam no lugar. É fácil entender: em uma das casas que fazia parte da região onde o edifício foi construído, o professor Paulo Camargo assassinou sua mãe e irmãs. Posteriormente, atirou-as em um poço que havia construído no fundo da casa. Sendo descoberto, suicidou-se com um tiro no peito.

Texto: Bruno Ribeiro Edição: João Paulo Fernandes