Conheça a história do conto de fada da Senhora Holle

De autoria dos irmãos Grimm, a narrativa da senhora Holle nos apresenta uma madrasta exploradora: sua enteada tinha que trabalhar até os dedos sangrarem

None
FOTO: Wikimedia Commons

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/10/2016 às 15:38
Atualizado às 18:49

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

De autoria dos irmãos Grimm, a narrativa nos apresenta uma madrasta exploradora: sua filha legítima, descrita como feia e preguiçosa, possuía muitos privilégios; já a enteada, bonita e gentil, tinha que trabalhar e costurar até os seus dedos sangrarem. Até que um dia, enquanto costurava na beira do poço, manchou o material de sangue e, na tentativa de limpá-lo, acabou derrubando tudo no buraco. Quando contou à madrasta o que havia acontecido, a megera mandou que ela pegasse os apetrechos de qualquer jeito. Aflita, a menina acabou pulando no poço. Na queda, perdeu os sentidos e, quando acordou, estava em um lugar lindo, ensolarado e repleto de flores e frutos. Caminhando por lá, encontrou a casa da Senhora Holle (também chamada de Mãe Buraco e Senhora Flocos de Neve em outras versões ou traduções).

ilustração, conto senhora holle, irmãos grimm

FOTO: Wikimedia Commons

A senhora pediu que a garota a ajudasse com a faxina da casa e, conforme as tarefas eram cumpridas, ela era recompensada com muito ouro. Mesmo assim, decidiu voltar ao mundo real e foi levada pela senhora. “Ela tomou a mão da moça e levou-a para um grande portão. Quando estava bem debaixo dele, caiu uma forte chuva de ouro, e ela ficou toda coberta pelo material”. A madrasta ficou consumida pela inveja quando soube o que aconteceu com a menina, por isso jogou sua própria filha no poço com a esperança de que a experiência se repetiria. Todavia, quando chegou à residência da Senhora Holle, a moça se recusou a ajudar em qualquer afazer e foi expulsa do local. Ao invés de ouro, voltou para sua casa coberta por uma gosma escura que ficaria presa em seu corpo pelo resto de sua vida.

LEIA TAMBÉM

Texto: Érika Alfaro Edição: Angelo Matilha Cherubini