Hífen: conheça as regras e aprenda a usar corretamente!

Por que arqui-inimigo tem hífen e arquibancada não? Entenda como o sinal é empregado nesse e em outros casos e tire todas suas dúvidas!

None
FOTO: Reprodução/Pixabay

por Redação Alto Astral
Publicado em 31/10/2016 às 09:22
Atualizado às 18:47

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O hífen, famoso tracinho, é um sinal usado para separar palavras e sílabas. Na teoria, parece simples. Mas, quando vamos escrever, sempre ficamos na dúvida. Antebraço ou ante-braço? Anti-herói ou antiherói? 

tom hanks pensando dúvida hífen

FOTO: Reprodução

Separamos todas as regras que você precisa conhecer para empregar o hífen corretamente. Confira:

Uso do hífen com prefixos:

1- Com os prefixos auto, contra, extra, infra, intra, neo, proto, pseudo, semi, supra e ultra: só devemos utilizar o hífen se a palavra posterior começar com “h” ou com uma vogal igual à última vogal do prefixo.
Exemplos: contra-ataque, infraestrutura, infra-hepático, neonatal, neo-hospitalar, ultraeficiente, ultra-absorvente.
Dica: quando o sufixo se inicia por “r” ou “s”, esses devem ser duplicados: ultrassonografia, autorretrato, contrarreforma, etc.

2- Com os prefixos ante, anti, arqui e sobre: só devemos utilizar o hífen se a palavra posterior começar com “h” ou com uma vogal igual à última vogal do prefixo.
Exemplos: antebraço, ante-histórico, antialérgico, anti-herói, arqui-inimigo, arquibancada, sobrevoo, sobre-humano.

3- Com os prefixos hiper, inter e super: só devemos utilizar o hífen se a palavra seguinte iniciar por “h” ou “r”.
Exemplos: hipermercado, hiper-realismo, interestadual, inter-racial, superespião, super-homem.

4- Com o prefixo sub: só devemos utilizar o hífen se a palavra seguinte iniciar com as consoantes “b”, “h” ou “r”.
Exemplos: submundo, sub-regente, subsecretário, sub-humano, subclasse, sub-base.

5- A regra geral para os pseudoprefixos é que só devemos utilizar o hífen quando a palavra posterior iniciar com “h” ou com vogal igual à última vogal do pseudoprefixo. De forma geral, pseudoprefixo é o prefixo que tem significado independente, ou seja, não necessita de outra palavra para ser compreendido, mas, ao contrário, dá novo significado a ela.

Exemplos: aero, agro, anfi, audio, bio, cardio, centro, eletro, estereo, foto, hidro, macro, maxi, mega, micro, mini, mono, morfo, moto, multi, neuto, oni, orto, para, penta, pluri, pneumo, poli, psico, quadri, radio, retro, sacro, socio, tele, termo, tetra, uni, zoo.
Exemplos de uso do hífen com os pseudoprefixos: agro-hospitalar, agronegócio, mega-apartamento, megaescola.

livro aberto paginas hífen gramática

FOTO: Reprodução/Pixabay

6- Os prefixos além, aquém, bem, ex, grã, grão, pós, pré, pró, recém, sem e vice: devem sempre ser seguidos por hífen.
Exemplos: além-mar, bem-amado, ex-marido, grã-duquesa, grão-duque, pós-graduação, recém-casados, vice-presidente.
Dica: com o Novo Acordo Ortográfico, o prefixo co aglutina-se com a segunda palavra, mesmo quando é iniciado por “h” ou “o”. Exemplos: coautoria, cooperação, coabitar.

Outras formas de utilizar o hífen:
a) Com pronomes: olhei-a, recomendo-lhe, tornar-se-ia.
b) Antes dos sufixos: (gu)açu, – mirim, – mor: capim-açu, modelo-mirim, guardião-mor.
c) Em compostos homogêneos (quando os dois termos ocupam a mesma classe de palavras): azul-claro (2 adjetivos), corre-corre (2 verbos).
d) Em compostos nos quais a primeira palavra é um numeral: terça-feira, primeira-dama.
e) Em compostos cujos elementos perdem seu significado original, formando uma nova estrutura semântica, um novo significado: pé-frio, couve-flor. Exceções: pontapé e madrepérola.
f) Em compostos com elementos de conexão só utilizamos hífen se a palavra for ligada à zoologia ou à botânica: copo-de-leite, joão-de-barro.
Os demais são escritos sem hífen: dia a dia, sol a sol, pé de moleque.

LEIA TAMBÉM

Texto: Redação / Edição: Érika Alfaro