ENTRETENIMENTO

Como surgiu a tocha olímpica?

O objeto representa o misticismo dos jogos da Grécia e é dona de um dos momentos mais importantes dos jogos olímpicos. Saiba mais sobre a tocha olímpica!

None
FOTO: Divulgação

por Redação Alto Astral
Publicado em 18/08/2016 às 11:01
Atualizado às 18:11

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Ela não é um simples objeto, representa todo o misticismo e tradição dos Jogos Olímpicos que surgiram na Grécia em 776 a.C. As pessoas encarregadas de reveza-la têm papel fundamental em transmitir os valores olímpicos, como a amizade e o trabalho em equipe, e inspirar mudanças positivas no povo do país sede. Descubra 3 fatos sobre a tocha olímpica!

Quando foi criada a primeira tocha olímpica?

A primeira vez que a tocha foi usada em uma Olimpíada foi em 1936, nos jogos de Berlim, na Alemanha. A primeira tocha foi acesa em Olímpia, na Grécia, levada de mão em mão até a capital da Alemanha. Desde então, o acendimento da pira é um dos pontos altos da cerimônia de abertura dos jogos. Para cada edição dos jogos, uma tocha diferente é desenhada.

tocha-olímpica-curiosidades

FOTO: Divulgação

Como a tocha é acesa?

O ritual de acendimento da tocha é bonito e muito bem ensaiado. Atrizes gregas se vestem como antigas sacerdotisas e colocam a tocha diante da Skaphia, um espelho côncavo (em forma de concha) voltado diretamente para o sol. Os raios solares, amplificados pelo espelho, geram o fogo olímpico.

mulher-acendendo-a-tocha-rio-2016

FOTO: Louisa Gouliamaki / AFP

Por que a tocha não se apaga?

A tocha olímpica é, na verdade, um bastão com um tubo de combustível no seu interior, que é o que mantém o fogo aceso. A tocha é alimentada por um cartucho que contém propano líquido sob pressão e vai encaixado dentro da tocha, e um tubo o conecta com o topo. Sua chama dura cerca de 15 minutos e pode suportar ventos de até 65 quilômetros por hora.

Veja também
5 declarações emocionantes dos atletas nessas Olimpíadas
Girl Power: porta-bandeira do Brasil nas Olimpíadas é mulher e nordestina
Os 13 momentos mais fascinantes – até agora – da passagem da tocha olímpica pelo Brasil

Texto: Gustavo Cândido. Revisão: Michelle Albuquerque