Você sabia que existe um curso sobre exorcismo?

Curso na Itália ensina como realizar a expulsão de um demônio

None
Foto: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 28/09/2016 às 16:51
Atualizado às 18:35

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Apenas sacerdotes católicos, com a permissão de bispos, podem realizar rituais de exorcismo. Contudo, a Universidade Ateneo Pontificio Regina Apostolorum – situada em Roma, na Itália – oferece aulas com o intuito de preparar estudantes e sacerdotes para várias funções dentro da Igreja Católica. Entre as oferecidas, está o curso voltado para o estudo de exorcismos, conhecido como “Exorcismo e oração de libertação”.

O exorcismo na teoria

Antes, o curso levava seis meses para ser realizado. Atualmente, foi condensado em uma semana, com aulas nos períodos matutino e vespertino. O curso oferece uma base multidisciplinar, desde a parte teórica (por exemplo, como a teologia vê a ação de anjos e demônios), até a farmacologia e a psiquiatria. Segundo o sacerdote Rubens Miraglia Zani, exorcista da Diocese de Bauru (São Paulo), o curso custa em torno de 300 euros e acontece uma vez por ano, geralmente, após a Páscoa.

curso-exorcismo

Foto: Shutterstock Images

Quem pode fazer o curso

O curso é aberto ao público e permite a participação de leigos, desde que tenham a recomendação de um bispo ou um padre. Entretanto, de acordo com as regulamentações da Igreja Católica, apenas sacerdotes autorizados por bispos podem realizar exorcismos. Contudo, as aulas oferecem uma grande base teórica para compreender casos de possessões e como a Igreja enxerga as ações de entes associados ao mal. Ainda assim, abre espaço para discutir os problemas psiquiátricos que podem ser confundidos com o que, popularmente, compreende-se por possessão.

Padre Zani conta que, durante as aulas, os alunos não analisam nenhum caso de exorcismo cara a cara. “Há depoimentos e mesas redondas com exorcistas, que falam da própria experiência. Mas não é o caso de colocar em prática ali”, explica. Durante as aulas, os alunos também são advertidos sobre substâncias psicoativas utilizadas por alguns grupos, os perigos de diferentes seitas que utilizam manipulação mental e também alertam para o perigo que algumas pessoas correm ao procurarem outros meios para curarem doenças.

LEIA MAIS

Texto: Érica Aguiar