Mente e cérebro: você sabe qual a diferença?

O cérebro e a mente são usualmente colocados como sinônimos pelo grande público. Mas saiba que eles têm conceitos bem diferentes

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 06/10/2016 às 19:03
Atualizado às 18:38

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Quem nunca recebeu alguma recomendação de alimento mais saudável, ouvindo “coma porque faz bem para mente”? Ou ainda escutou: “Vá em frente, isso ajuda a melhorar seu cérebro”? De fato, para o senso comum, os conceitos de mente e cérebro têm sido usados como sinônimos, mas é importante ficar atento, pois eles não significam a mesma coisa.

A psicóloga Cristina Simões explica que as definições entre os dois muitas vezes se misturam, porque temos por hábito social associar a mente à “coisa certa a se fazer”, ao racional, ao raciocínio. “Nesse entendimento cotidiano, sempre localizamos essa ‘mente’ na cabeça, especificamente no cérebro, opondo-se, quase sempre, ao coração, que seria o responsável pelas emoções”, pontua Cristina.

mente-cérebro-chave-fechadura

FOTO: Shutterstock Images

Helbert Silva, cientista e pesquisador em neurociência, comenta as frases típicas do senso comum, e diz que antes as pessoas falavam que alguém inteligente era um “crânio”. “Atualmente, é de conhecimento geral que o crânio é apenas o revestimento ósseo que protege o cérebro. Depois passaram a dizer que uma pessoa inteligente era um cérebro”, conta.

Hoje, o conceito de cérebro trata de uma entidade material localizada dentro do crânio, que pode ser visualizado, tocado e manipulado. O cientista ressalta que é impossível explicar o que seja a mente. “O máximo que pode ser feito é dizer que a mente é imaterial, uma entidade separada do corpo”, esclarece.

Inúmeros estudos, pesquisas e reflexões estão sendo feitos para tentar decifrar esse “mistério”, mas trata-se de um fenômeno complexo que pode ser associado ao pensamento, à consciência e a várias outras áreas. “É importante saber que, futuramente, sem prazo definido, a mente venha a representar a essência da existência humana”, considera Silva.

LEIA TAMBÉM

Texto Gabriele Alves/Colaboradora – Edição: Giovane Rocha/Colaborador
Entrevistas: Natália Negretti – Consultoria: Cristina Simões, psicóloga e mestre em educação; Helbert Silva, cientista, escritor, palestrante, pesquisador em neurociência e idealizador e criador da Engenharia de Informações (intelligence)