ENTRETENIMENTO

Como morrer no fim do mundo: guerra nuclear

No terceiro post sobre as possíveis causas que podem levar a espécie humana à extinção, saiba por que uma guerra nuclear ainda é um perigo iminente

None
Apesar de conhecidas, as consequências desastrosas decorrentes do uso de armas nucleares não impedem que elas venham a ser utilizadas novamente. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/12/2016 às 15:09
Atualizado às 16:23

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Milhares de espécies foram eliminadas por fatores climáticos, desastres naturais, colisão de asteroides e, mais recentemente, intervenção humana no meio ambiente. Mas talvez a nossa hegemonia tenha uma hora pra acabar. Confira no terceiro post da série sobre as possíveis causas de extinção da espécie humana!

cidade, destruição, guerra, ataque

Uma guerra nuclear é uma das possibilidades pelas quais a espécie humana pode ser extinta. FOTO: Reprodução

Guerra nuclear

Após os grandes impactos das bombas nucleares de Hiroshima e Nagazaki, era de se esperar que os governantes abolissem a possibilidade do uso de armas nucleares, para a sua própria segurança. Porém, em um mundo em que poder é a palavra de ordem, as situações podem ocorrer de formas diversas.

explosão, bomba nuclear, cogumelo

Apesar de conhecidas, as consequências desastrosas decorrentes do uso de armas nucleares não impedem que elas venham a ser utilizadas novamente. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

Com o fim da Guerra Fria, uma ameaça de guerra nuclear parece ter ficado cada vez mais distante, mas tanto os Estados Unidos quanto a Rússia possuem um arsenal de mais de 800 ogivas prontas para serem lançadas em minutos. Os países do Tratado de Não-proliferação de Armas Nucleares continuam a modernizar seu armamento, demonstrando pouco esforço para extingui-lo. Por isso, ainda existe potencial para um ataque nuclear, seja ele acidental, não-autorizado ou mesmo sem aviso.

LEIA TAMBÉM

Texto:  Da redação