Como o exorcismo é relatado na Bíblia?

A Bíblia apresenta diversos casos em que o mal domina o homem

None
Foto:

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/10/2016 às 15:34
Atualizado às 18:38

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Mais conhecido nas igrejas cristãs, rituais de exorcismo estão presentes na Bíblia. Ainda que de forma indireta, há diversas passagens que relatam a briga do homem com o mal.

Povos antigos

O cristianismo e o judaísmo receberam diversas influências das crenças posteriores a eles; caso dos povos que viviam na Pérsia e na Grécia. A palavra “demônio”, por exemplo, tem origem grega e se referia, originalmente, a espíritos intermediários entre deuses e homens, que podiam ser bons e maus. Já os persas são um dos criadores da ideia de luta cósmica entre um deus bom e um mal. Com o cristianismo, essa luta foi acentuada.

Bíblia

Foto: iStock.com/Getty Images

Na Bíblia

Basta uma consulta à Bíblia para conferir como o tema exorcismo é relatado como algo possível. Quase não há citações diretas no AntigoTestamento, contudo, são retratados casos mais simbólicos, como a serpente do Jardim do Éden, que tentou Eva a comer a maçã. No entanto, não é chamada explicitamente de diabo.

Também no Livro de Tobias, o demônio Asmodeu foi exorcizado do corpo de Sara por causa do cheiro de miúdos de peixe queimados. Já no Novo Testamento, há 37 casos de exorcismo, como quando Jesus agiu em Gerasa. Um homem vivia no cemitério da cidade e relutava contra a ajuda as pessoas, apresentando uma força anormal. Cristo foi até ele e o exorcizou. Ao perguntar “Qual é o teu nome?” (momento do ritual do exorcismo usado até hoje na Igreja Católica), a resposta foi: “Legião é o meu nome, porque somos muitos”. Tenebrosos perante o filho de Deus, pediram para serem transferidos aos porcos que estavam no local. Dois mil suínos possuídos atiraram-se ao mar e morreram afogados.

Outras histórias com o tema são retratadas nos quatro evangelhos, realizados inclusive por apóstolos e discípulos. A permissão dada por Jesus para que seus seguidores pudessem realizar rituais de esconjuração foi crucial para a interpretação de que indivíduos fiéis a Cristo também estavam aptos para serem possíveis exorcistas.

LEIA MAIS

Texto: Natália Negretti