Descubra como a ciência explica as mensagens subliminares

As mensagens subliminares atuam diretamente no cérebro. Entenda como a neurociência busca explicar esse recurso da publicidade e propaganda

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 21/11/2016 às 12:18
Atualizado às 18:37

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Na neurociência, as mensagens subliminares se enquadram no tipo de memória implícita, que refere-se às lembranças que não são conscientemente adquiridas, isto é, dependem da aprendizagem consciente. “É onde enquadram-se os condicionamentos, a aprendizagem de hábitos (aspectos motores) e ainda outras formas de memória, como a aprendizagem não associativa, que envolve aprendizado por apresentação repetitiva da informação”, afirma o especialista em neurociência Felipe Rodrigues Veigas.

Basicamente, as mensagens subliminares não são processadas de forma consciente, mas sim de maneira inconsciente. Em outras palavras: o indivíduo não está ciente sobre a informação que está recebendo.

medico-lupa-cerebro-mensagens-subliminares

FOTO: Shutterstock.com

A psicóloga Jéssica Elias Vicentini destaca o efeito priming, termo em inglês sem tradução no português que significa o reconhecimento de algo que foi previamente vivenciado e que, portanto, influencia o desempenho de uma ação posterior. “Como essa habilidade é mediada por memória implícita, é então subjetiva e única para cada sujeito”, aponta Jéssica.

O fenômeno também é conhecido como pré-ativação, “uma espécie de facilitação da atividade de determinado circuito neuronal (aquele que foi pré-ativado) de forma que a apresentação de um estímulo influencia a resposta a outro estímulo”, explica Felipe.

A ciência aponta que reflexos vindos do inconsciente podem atingir níveis profundos de processamento cognitivo, chegando a influenciar até a interpretação e reconhecimento de imagens, que ocorre no córtex cerebral.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevistas: Natália Negretti – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultorias: Felipe Rodrigues Veigas, especialista em neurociência e professor na Universidade do Oeste Paulista – Unoeste, em Presidente Prudente (SP); Jéssica Elias Vicentini, psicóloga especialista em neuropsicologia