ENTRETENIMENTO

Bloqueio Continental: entenda o decreto de Napoleão

Entenda o Bloqueio Continental, um decreto de Napoleão Bonaparte com o objetivo de desbancar a Inglaterra e dominar toda a Europa

None
Obra de Jacques-Louis David, 1800. (FOTO: Wikimedia Commons)

por Redação Alto Astral
Publicado em 15/08/2016 às 18:28
Atualizado às 18:09

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Você sabe o que é o Bloqueio Continental? Medida tomada por Napoleão Bonaparte com o objetivo de isolar a Inglaterra e garantir seu domínio perante a Europa. Saiba mais sobre o decreto histórico do imperador francês:

Entenda o Bloqueio Continental

Napoleão Bonaparte, no começo do seu governo, contava com o exército mais poderoso de todo o continente, chegando, em 1805, a possuir 600 mil soldados, expandindo o império pela Europa. Mas, com a derrota para a marinha britânica na Batalha de Trafalgar, a Inglaterra se tornou a Rainha dos Mares.

Depois desse episódio, o monarca se deu conta de que, para ser soberano na Europa, teria que desbancar a Inglaterra. E, por esse território se tratar de um conjunto de ilhas, absoluto pela água, o imperador adotou uma estratégia diferente, o Bloqueio Continental.

napoleão cavalo bloqueio continental

Obra de Jacques-Louis David, 1800. (FOTO: Wikimedia Commons)

Essa restrição proibia qualquer vínculo com a Inglaterra, sob ameaça de invasão das tropas francesas – dessa forma, Napoleão dominaria toda a Europa e isolaria a Inglaterra. Os países europeus aderiram ao bloqueio, o que fez com que o imperador governasse cerca de 58 milhões de súditos.

Porém, como os ingleses eram a maior potência comercial daquela época e as indústrias francesas não conseguiram fazer esse papel e abastecer os mercados do continente todo, a saída foi contrabandear os produtos da Inglaterra. Então, na prática, o bloqueio não existia mais.

SAIBA MAIS

Napoleão Bonaparte: Nostradamus previu seu governo? Saiba mais

Conheça a história de Adolf Hitler

Conheça a história de Voltaire

Texto: Érika Alfaro