Falha no avião de Maju Coutinho provoca histeria em passageiros: “fogo na turbina”

Maju Coutinho relatou pânico em voo de Paris a São Paulo que teve problemas eletrônicos. "Uma passageira jurou ter visto fogo na turbina"

None
Foto: Reprodução/Instagram

por Wanessa Bighetti
Publicado em 09/06/2018 às 11:18
Atualizado às 11:18

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A jornalista Maju Coutinho viveu momentos de pânico a bordo de um avião que faria a rota Paris-São Paulo na última quinta-feira (7). Em um relato em sua conta no Instagram, a jornalista relatou que o voo teve problemas eletrônicos antes mesmo de decolar e que uma passageira jurou ter visto fogo em uma das turbinas da aeronave.

“O voo que peguei teve cenas de comédia e de terror.  O avião deveria sair de Paris às onze da noite, mas pouco antes da partida, o comandante avisou que havia um problema eletrônico que levaria quarenta minutos para ser resolvido. Passado o tempo previsto, veio um novo aviso: era necessário esperar mais trinta minutos para a reiniciar o sistema eletrônico do avião”, contou a jornalista.

Mas os problemas enfrentados por Maju Coutinho não pararam por aí. Segundo ela, a situação piorou após um terceiro comunicado da companhia aérea: “quase duas horas depois do início do problema, o piloto disse que tudo estava solucionado e decolaríamos assim que a torre de controle autorizasse. Porém, antes de finalmente decolarmos, uma passageira jurou ter visto fogo em uma das turbinas do avião e acabou incendiando grande parte da galera que já estava inflamada de tanto stress. Reclamações, então, viraram gritaria que logo culminou em histeria”, contou.

Frente à situação, Maju Coutinho conta que tentou não se desesperar. “Eu recorri à respiração que faço em minhas meditações diárias para manter o mínimo de serenidade e sanidade. Ponderei que o piloto, zelando pela própria vida, jamais voaria se não estivesse tudo em ordem com a aeronave. O meu lado catastrófico até lembrou de Andreas Lubitz, o copiloto que teria jogado um avião contra os Alpes franceses matando 150 pessoas, em 2015. Entretanto, quando vi o piloto do voo 8101 Paris-São Paulo conversando com vários passageiros, conclui que não se tratava de alguém com instinto suicida. Ele dizia estar ansioso para chegar ao Brasil, ir à loja de materiais de construção para comprar os últimos itens que deixariam sua churrasqueira prontinha para ser inaugurada no sábado, num almoço de família”.

Por fim, o voo de Maju Coutinho foi cancelado: “Só que os compromissos do comandante, os meus e os dos outros trezentos passageiros tiveram que ser adiados, pois o voo foi cancelado. Segundo o piloto, em situações de pânico o avião não sai do chão por questões de segurança. E era o pânico que imperava, pois mesmo depois do comandante ter garantido que poderíamos voar com total segurança, muita gente continuava gritando e pedindo pra não decolar. Uma passageira ligou pra família no Brasil e recebeu o seguinte conselho: “se insistirem em levantar voo, invada a cozinha do avião e jogue a louça e a comida no chão”.

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.