ENTRETENIMENTO

Agosto: mês do folclore brasileiro

O Dia do Folclore é 22 de agosto. Para relembrar as lendas desse mundo fantástico conheça 4 personagens do folclore brasileiro, um dos mais ricos do mundo.

None
ILUSTRAÇÃO: Shutterstock.com MONTAGEM: Beatriz Fernandes

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/08/2016 às 11:23
Atualizado às 17:52

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O folclore brasileiro é considerado um dos mais ricos do mundo e o seu dia é comemorado em 22 de agosto. As lendas regionais nascem de cabeças criativas que cada geração resolvem contar de uma forma diferente os acontecimentos do dia a dia. O que não faltam são histórias e personagens para lá de curiosos para você conhecer, confira algumas delas a seguir:

Iara

Seu nome, de origem indígena, quer dizer “aquela que mora na água”. Mas, ao contrário dos desenhos, Iara não é tão boazinha quanto parece. Com sua linda voz, ela encanta os homens para levá-los para o fundo do mar.

Boto

Durante as noites de festas juninas, ele se transforma em um lindo rapaz tagarela que deixa as garotas apaixonadas. O problema é que, na manhã seguinte, volta a ser bicho de novo. O Boto mora nos rios da Amazônia e busca levar suas vítimas para o fundo do rio.

lendas-folclore-iara-boto

ILUSTRAÇÃO: Shutterstock.com MONTAGEM: Beatriz Fernandes

Cuca

Como dorme uma vez a cada 7 anos, tem a tarefa de dar uma lição em crianças que não querem ir para a cama. A cara de jacaré e as garras de gavião são seu disfarce mais comum, mas, por ser uma feiticeira, a Cuca pode se transformar no que quiser.

Boitatá

Mais uma defensora da natureza, essa cobra de um olho só é responsável por proteger as florestas das grandes queimadas. Quando fica furiosa, é capaz de se transformar em um tronco de fogo, assustando até os mais corajosos.

lendas-folclore-boitata-cuca

ILUSTRAÇÃO: Shutterstock.com MONTAGEM: Beatriz Fernandes

Veja também
Conheça a história da mula sem cabeça
Boitatá: conheça a lenda da serpente de fogo

Texto: Patrícia Cestari/ Colaboradora. Revisão: Michelle Albuquerque