ENTRETENIMENTO

5 coisas bizarras que encontramos na Deep Web

Além do mercado de drogas ilícitas, prostituição e tráfico de pessoas e órgãos, a Deep Web também esconde coisas muito bizarras

None
IMAGEM: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 27/07/2016 às 17:54
Atualizado às 17:42

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

De números da previdência a areia 100% pura. Confira as coisas bizarras que você pode encontrar à venda na Deep Web.

mexendo no computador

FOTO: Reprodução

1) A aposentadoria

Um site promete a venda de números de seguridade social novos com pontuação acima de 750. No sistema dos Estados Unidos, com determinada quantidade de pontos, é possível obter benefícios como aposentadoria, por exemplo.

2) Cartões de crédito

Por US$17, ladrões vendem lotes com cem números de cartões de crédito roubados para o comprador utilizar em novas aquisições. Como a média de limite de crédito nos Estados Unidos é de US$3500, pode-se encontrar um lote com até US$350 mil.

3) 100% de areia pura

Um usuário vende, por 50 dólares, uma libra de areia 100% pura. Sim, são cerca de 450 gramas de areia da praia com garantia de pureza, ou seja, sem tampas de garrafa ou pontas de cigarro. Mas o vendedor parece ter bom coração: “se alguém realmente pedir isso, eu vou enviar de verdade uma boa libra de areia e 50% do pagamento será doado a uma instituição de caridade de minha escolha”, descreve na página.

vendendo areia pura

IMAGEM: Reprodução

4) Objetos 3D

Se você sempre desejou ter um objeto impresso por uma impressora 3D, mas não quer comprar o aparelho, pode encomendar qualquer coisa – de armas de fogo a cartões de banco.

5) Netflix eternamente

Quer ter uma assinatura vitalícia da Netflix? Isso custa apenas um dólar, graças aos cartões de crédito roubados que o vendedor utiliza para bancar sua conta. É um investimento com certo grau de risco.

SAIBA MAIS

Conheça a Deep Web, o lado oculto da internet

Divulgue os seus produtos na internet e lucre até na crise

Texto: Thiago Koguchi Edição: Ana Beatriz Garcia Arte: Mary Ellen Machado