É possível criar memórias falsas?

Ter memórias falsas é uma maneira do cérebro preencher lacunas deixadas por lesões

Memórias falsas
Foto: Shutterstock

Sim, é totalmente possível criar memórias falsas. Tanto que seu cérebro cria a todo momento sem você perceber. As falsas memórias consistem em uma distorção na capacidade de armazenar conteúdos. Isso faz com que o indivíduo “recupere” lembranças de eventos que, de fato, nunca foram vivenciados.

O que são memórias falsas

De acordo com o psiquiatra João Jorge Nogueira, as memórias são inventadas sem a intenção de iludir uma terceira pessoa, e sua produção é involuntária e inconsciente, uma espécie de “mentira honesta”. No entanto, a ocorrência desse comportamento é comum em nossas vidas, assim como outras falhas no processo de lembrança. Ou você é capaz de se lembrar de absolutamente tudo que viveu da infância à adolescência?
A neurologista Sônia Brucki acrescenta que, algumas vezes, as histórias podem ser muitos convincentes, enquanto outras são implausíveis, impossíveis de terem acontecido na vida real. No entanto, embora seja possível checar os fatos, nem sempre conseguimos distinguir o que é real do que é ficção enquanto alguém relata um fato.

Memórias falsas

Foto: Shutterstock

O que acontece no cérebro

Também chamada de confabulação, a memória falsa tem sido descrita em numerosas condições neurológicas, incluindo demências, lesões cerebrais traumáticas, aneurisma ou ruptura das artérias comunicantes posteriores e anteriores, tumores cerebrais, infecções do sistema nervoso central e esclerose múltipla.

Quem pode ter

Qualquer pessoa que sofreu um dano cerebral pode apresentar o sintoma, desde que as áreas específicas do cérebro, responsáveis pelas funções de memória, tenham sido afetadas. Assim, não há relação direta com a idade do paciente e a confabulação, embora, com o passar dos anos, o indivíduo esteja sujeito a apresentar um número maior de doenças neurodegenerativas.

 

Saiba mais

Procurando Dory: o que é perda de memória recente?

Saiba como estimular o cérebro e proteger a memória

Os 5 maiores vilões da memória

 

Texto: Érica Aguiar
Entrevista e edição: Natália Negretti