Saiba o que é a doença de Lyme, diagnosticada em Justin Bieber

A recuperação completa da condição em estágios avançados é rara

doença de lyme
Foto: Reprodução/YouTube

Justin Bieber se abriu sobre ter sido diagnosticado com a doença de Lyme durante o ano de 2019. Com um post feito em seu Instagram oficial, o cantor chamou a atenção para a condição rara que é desconhecida por muitas pessoas. “Enquanto muitos ficavam dizendo que ‘Justin Bieber está horrível’ ou usando drogas, eles não perceberam que recentemente fui diagnosticado com a doença de Lyme. Não apenas isso, eu tive um caso crônico de mononucleose que afetou a minha pele, meu cérebro, minha energia e minha saúde no geral“, escreveu.

A notícia foi inicialmente divulgada pelo site americano TMZ, que deu detalhes sobre a dificuldade dos médicos em encontrar a real causa dos problemas que o cantor estava enfrentando. Segundo a matéria, “Justin estava realmente enfrentando uma depressão extrema porque estava sofrendo e ninguém sabia o que havia de errado com ele“.

Além do astro pop, outros famosos como Ashley Olsen, Avril Lavigne e Alec Baldwin também foram diagnosticados com a doença.

Mas, você sabe o que é a doença de Lyme?

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), a doença de Lyme se caracteriza como uma infecção bacteriana transmitida pela picada de carrapatos, também conhecidos como   “carrapatos de veados”, já que se alimentam do sangue desses animais. Mas, ainda assim, ser mordido pelo inseto não é suficiente para a contração da doença. O artrópode precisa ficar hospedado na pele por pelo menos 36 horas para o surgimento da infecção.

doença de lyme

Foto: cortesia de James Gathany via Public Health Image Library of the Centers for Disease Control and Prevention. Via: Manual MSD

Desta forma, é extremamente aconselhável que, caso encontrar um desses na pele, deve-se removê-lo o mais rápido possível com uma pinça. Mas, mesmo com a retirada do animal, é de extrema importância que se procure um médico especialista para que se confirme que a doença não foi contraída.

Sintomas:

  • Surgem entre 3 dias a 1 mês após a picada;
  • Erupções cutâneas;
  • Vermelhidão;
  • Coceira;
  • Cansaço;
  • Dor de cabeça;
  • Rigidez no pescoço;
  • Articulações doloridas;
  • Náuseas;
  • Inchaço.

Possíveis complicações:

De acordo com o Manual MSD, em 15% dos casos o sistema nervoso é afetado. Quando isso acontece, o portador poderá enfrentar outras complicações como meningite e paralisia de Bell (fraqueza em um ou em ambos os lados da face). Além disso, 8% das pessoas que contraíram desenvolvem problemas cardíacos. Tudo isso porque muitos nem sequer percebem que foram picados em um primeiro momento, fazendo que o diagnóstico se torne ainda mais tardio.

Tratamento:

Muitos médicos indicam que a prevenção é essencial para o combate à doença, isto porque em casos mais graves, a recuperação completa é rara. Normalmente, o tratamento da condição é feito com antibióticos e o paciente precisa ser monitorado a longo prazo.

Prevenção:

  • Repelentes com o inseticida permetrina na composição;
  • Não realizar trilhas em locais desconhecidos;
  • Roupas que cubram o corpo em ambientes de mata;
  • Checar o próprio corpo após contato com a natureza.

Leia também: