Número de diretoras mulheres em produções hollywoodianas dobrou em 2019

A porcentagem foi registrada como a maior da década

diretoras mulheres
Foto: ART STREIBER/Getty Images

O número de diretoras mulheres à frente de produções hollywoodianas dobrou em 2019 em comparação ao ano anterior. Tal dado mostra com0 a luta do gênero contra o machismo estrutural e a desigualdade tem surtido efeito em diferentes áreas. No mundo do entretenimento as mudanças vem crescendo gradativamente e foi registrada como a maior da década.

A presença de diretoras mulheres no cinema

No mundo do entretenimento, que é acompanhado por grande parte da população mundial, esta luta se torna mais aparente, assim como os seus frutos. Ainda em 2018, a atriz Alyssa Milano incentivou mulheres que já foram vítimas de abusos a dar seu testemunho no Twitter utilizando a hashtag “Me Too” (#metoo), o que originou uma grande mobilização entre artistas de Hollywood que expuseram diversos casos outros casos no setor. No Globo de Ouro deste mesmo ano, por exemplo, muitas mulheres se vestiram de preto como forma de protesto.

Para alguns pode parecer apenas algo simbólico, mas justamente o fato de que essas mulheres consigam se sentir mais confortáveis para se expressarem e usarem suas vozes, faz com que elas tenham mais força para conquistar ainda mais espaço.

Segundo um estudo da Iniciativa Annenberg de Inclusão da Universidade do Sul da Califórnia, realizado pela especialista Stacy L. Smith, 2019 registrou a maior porcentagem de diretoras mulheres na última década. E, ainda que a presença delas ainda não seja a ideal, é significativa já que 10,6% das 12 principais produções de 2019 foram comandas por mulheres. O número corresponde ao dobro encontrado em 2018.

As Golpistas, de Lorene Scafaria, Frozen 2, de Jennifer Lee, Capitã Marvel, de Anna Boden e Ryan Fleck são alguns dos exemplos mais notórios dessa mudança que vem acontecendo aos poucos, mas que também está se consolidando. Para a Reuters, Stacy que comandou o estudo, afirmou que essa é a primeira vez que ela registrou uma mudança nas práticas de contratação para diretoras femininas nos últimos 13 anos.

Leia também: