Diabetes: confira 5 sinais que podem ajudar você a identificar a doença!

O diabetes é uma das doenças mais recorrentes atualmente, por isso é importante que você fique por dentro dos sinais. Confira!

Por Denis Eric - 16/02/2017
medidor de glicose e frutas

FOTO: Shutterstock

Diabetes mellitus é uma síndrome que se caracteriza por níveis de glicose elevados no sangue (hiperglicemia) e distúrbios do metabolismo de gorduras e proteínas. “Decorre da falta do hormônio insulina ou da resistência à sua ação, isto é, incapacidade da insulina de exercer seus efeitos adequadamente. Geralmente, as duas alterações coexistem e decorrem de fatores genéticos e ambientais de predisposição”, explica a endocrinologista Maria Elizabeth Rossi da Silva. Abaixo você confere 5 sinais da doença!

 

Pré-diabetes

O diabetes tipo 2, forma que mais tem sido diagnosticada no mundo, é perigoso e pode trazer complicações para o organismo, como cegueira, problemas renais e cardiovasculares. Porém grande parte das pessoas que chegam a desenvolver a doença já passaram pela condição de pré-diabetes, um estado intermediário onde os níveis de glicose no sangue estão acima do normal, mas não elevados o suficiente para ser diagnosticado o diabetes. “O pré-diabetes não costuma provocar as complicações renais, visuais ou neurológicas. Entretanto, ocorre um risco aumentado no desenvolvimento de complicações cardiocirculatórias, como o infarto e o acidente vascular cerebral”, alerta o clínico-geral Paulo Camiz.

Em busca do bem-estar

E para reverter esse quadro basta compromisso e vontade para uma mudança de hábitos alimentares e de estilo de vida, que irá melhorar sua qualidade de vida como um todo, e não só em relação ao pré-diabetes. De acordo com uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, é possível reduzir em até 58% os riscos de desenvolver o tipo 2 com atitudes básicas. Por exemplo, acrescentar 150 minutos de atividades físicas semanais à sua rotina. “A solução está em combater as condições que levaram o paciente ao pré-diabetes, como os hábitos alimentares e o sedentarismo”, afirma Camiz. É importante que ocorra essa adequação da dieta e do estilo de vida.

 

Texto Redação Alto Astral

Consultoria Maria Elizabeth Rossi da Silva, endocrinologista; Paulo Camiz, clínico-geral

 

Leia também: