Como eliminar o mau hálito

Como eliminar o mau hálito

Foto: Thinkstock/Getty Images

O mau hálito é um problema que pode ter diversas causas, sejam fisiológicas, adaptativas ou patológicas. Muitas pessoas sofrem com este mal e não sabem como solucioná-lo. O Papo Feminino conversou com a Dra. Maria Cecília Azevedo de Aguiar e Dra. Daiane Lima de Oliveira Rocha, especialistas da Associação Brasileira de Halitose, para responder às principais questões sobre o tema e propor soluções para dar adeus ao mau cheiro:

Causas

De acordo com as especialistas, 90% dos casos de halitose são de causas bucais. Os problemas respiratórios e de estômago não são tão comuns, com uma participação de 8% e 1%, respectivamente. Confira as principais causas da halitose:

– Causas fisiológicas: halitose matinal, ao acordar, que costuma ocorrer em todas as pessoas, devido principalmente à redução do fluxo salivar durante o sono. Essa halitose matinal, no entanto, deve desaparecer após a higiene dos dentes, da língua e após a primeira refeição da manhã. Caso contrário, devem-se investigar causas de origem patológica.

– Causas adaptativas: as mais comuns são o jejum prolongado, o consumo de alimentos ou medicamentos de odor carregado e as dietas descontroladas para perda de peso.

– Causas patológicas: problemas bucais – como alterações salivares, problemas gengivais, presença de saburra lingual, cáries – além de outros fatores não relacionados a patologias bucais, como febre, câncer, diabetes, estresse, alterações renais, hepáticas, gástricas, intestinais, otorrinolaringológicas, entre outras.

Como tratar?

Se você sofre com este problema e não sabe o que fazer para eliminá-lo, confira as dicas das especialistas:

– Mantenha a boca úmida através do consumo de quantidades adequadas de líquido e de uma boa mastigação dos alimentos;

– Tenha uma boa dieta, o que inclui alimentar-se em intervalos regulares, consumir alimentos fibrosos e evitar o consumo excessivo de alimentos gordurosos e muito quentes, salgados e condimentados, bem como de café e álcool em excesso;

– Não fume;

– Respire pelo nariz;

– Use medicamentos apenas sob orientação do médico ou cirurgião-dentista;

– Visite o dentista periodicamente;

– Escove os dentes após as refeições principais, com escova pequena e macia e creme dental, além de usar diariamente o fio dental e higienizar a língua com limpadores específicos;

-Se usar enxaguatórios bucais, faça com orientação de seu dentista, preferindo sempre os produtos sem álcool na composição.

Alimentos que causam mau hálito

Alguns tipos de alimentos têm odores muito fortes que podem ser eliminados pelo hálito. “Os principais alimentos associados à halitose são o alho, a cebola crua, repolho, couve, brócolis, picles, alcachofra, mostarda, bebidas alcoólicas, queijos de cor amarela, frituras, alimentos gordurosos em geral e o café em excesso”, explicam as profissionais.

Erros mais comuns

As pessoas que sofrem com o mau hálito podem cometer alguns erros sem perceber, piorando ainda mais o odor bucal. Conheça os principais e evite-os:

-Usar soluções para bochecho com álcool;

-Usar balas, sprays bucais ou mascar cravo para camuflar o problema;

-Não procurar ajuda profissional especializada para o diagnóstico e tratamento do problema;

-Usar antibióticos para combater as bactérias da boca;

-Lamber o pulso e cheirar para saber se está com halitose;

-Colocar as mãos em conchinha para sentir se hálito está alterado.

Antissépticos e escovação

Manter a higiene bucal em dia é o primeiro passo para eliminar a halitose. Passar o fio dental é essencial, assim como usar produtos adequados para eliminar as bactérias. “Cremes dentais que possuam triclosan associado a algum copolímero, como o gantrez e o citrato de zinco, são bastante eficientes para retardar o acúmulo de placa bacteriana e, com isso, são eficientes para controle e prevenção de doenças bucais como gengivite e cárie dentária”, revelam as dentistas. Elas também falam sobre as soluções usadas para bochecho: “São recursos auxiliares na higiene e não substituem a escovação. É importante ressaltar que esses produtos não eliminam o mau hálito, apenas camuflam o odor por algum tempo, e o cheiro ruim volta a prevalecer. Por isso, no máximo podem ser usados como mascaradores temporários”.

Visitas ao dentista

Algumas pessoas consultam o dentista apenas quando estão com problemas graves na boca. No entanto, a visita deve ser feita uma vez por ano ou de seis em seis meses para prevenir qualquer tipo de desconforto: “O ideal é perguntar ao seu dentista qual o tempo adequado para retorno. Além de cumprir essa orientação, agende uma consulta caso perceba algo diferente na boca. E o mais importante: prevenir é melhor do que curar, portanto, não se deve ir ao dentista somente quando estiver com dor ou com algum problema perceptível, e sim ter como rotina retornos periódicos”, contam Maria Cecília e Daiane.

 

Consultoria: Dra. Maria Cecília Azevedo de Aguiar (Vice-Presidente da Associação Brasileira de Halitose – ABHA)

Dra. Daiane Lima de Oliveira Rocha (Diretora Executiva da Associação Brasileira de Halitose – ABHA e Presidente do 1º Congresso Brasileira de Halitose, promovido pela ABHA)

ABHA – Associação Brasileira de Halitose
Tel.: (11) 2887-1212
Site: www.abha.org.br