Você sabia que a depilação brasileira faz sucesso em outros países?

Iniciada no Brasil, a moda da depilação genital se espalhou pelo mundo impulsionada pela performance sexual.

Por Natalia Negretti - 10/11/2016
depilação

Foto: Shutterstock Images

A guerra aos pelos foi declarada há muito tempo. Se, na década de 1980, a atriz Claudia Ohana fez sucesso ao posar para a revista Playboy com os pelos pubianos em excesso, o século 21 veio para impor uma nova tendência: a depilação total.

depilação

Foto: Shutterstock Images

Depilação à brasileira

O movimento surgiu no Brasil no fim dos anos 1980. A moda, na época, era a depilação cavada, que consiste em raspar os fios laterais e deixá-los concentrados apenas no meio. Variações, como o “bigodinho”, surgiram e, naturalmente, caminharam para a eliminação total dos pelos. “Nas últimas décadas, esse conceito estético passou a vigorar e foi sobrevalorizado, conduzindo a mulheres e homens a preferirem esta maneira de se apre – sentar o genital”, analisa o psicoterapeuta de casais e sexual Oswaldo Rodrigues Jr..

Moda-exportação

Engana-se quem pensa que apenas as brasileiras aderiram à prática. Denominado “Brazilian wax”, a moda pegou lá fora também. Um estudo – que vem sendo considerado o mais completo sobre o assunto – publicado pela revista científica Jama Dermatology, da Associação Médica Americana, mostrou que as norte-americanas estão recorrendo à depilação. A pesquisa entrevistou 3.300 mulheres, das quais 2.778 (84%) já haviam retirado os pelos em algum momento na vida. Destas, 1.710 (62%) aderiam à depilação total. A prática, segundo o estudo, é mais comum entre jovens, brancas e com um maior tempo de escolaridade.

 

LEIA TAMBÉM

 

Texto: Augusto Biason/colaborador

Consultoria: Oswaldo Rodrigues Jr., psicoterapeuta sexual e de casais