Cuidados com o bebê: alergias respiratórias

A alergia é uma resposta do organismo a corpos estranhos. Descubra como identificar duas alergias respiratórias mais comuns: rinite e sinusite.

bebe-bocejando-deitado-na-cama
FOTO: Shutterstock.com

Os sintomas alérgicos surgem como forma de proteção contra substâncias estranhas ao organismo. O bebê pode reagir com sintomas na pele, intestino ou via respiratória. Saiba mais sobre as duas alergias respiratórias mais comuns: a rinite e a sinusite.

bebe-doente-fazendo-inalacao

FOTO: Shutterstock.com

Rinite

Segundo Antônio Carlos Pastorino, há 4 sintomas chave que podem ajudar a identificar a doença:  espirros, obstrução nasal, coriza e coceira. A doença ocorre devido à inflamação da mucosa do nariz, podendo atingir o fundo da garganta. Como no caso da asma, a causa da infecção pode ser tanto viral quanto bacteriana e desencadeada por substâncias irritantes. Como sempre, o pó e a poluição são as maiores causas do problema.

Prevenção e tratamento

Para evitar é essencial manter a casa limpa e evitar locais excessivamente poluídos. Investir no consumo de água e inalações periódicas também dá uma mãozinha no tratamento da doença.

Veja também
Bebês: desvendando as alergias
O que mudar em casa para evitar alergias?
Rinite: confira as causas e os tratamentos indicados!

Sinusite

A sinusite é uma inflamação nas cavidades da face. Os sintomas mais comuns são dores de cabeça, febre e tosse. Essa última pode ser seguida de vômito, provocado pelo excesso de muco. Enquanto a sinusite aguda pode ser provocada por vírus e bactérias (comuns após resfriados), a sinusite crônica é alérgica.

Prevenção e tratamento

Assim como a rinite, evitar locais poluídos, manter o ambiente limpo e ficar atento aos primeiros sintomas. Para remover o excesso de catarro nas cavidades, será necessário aplicar gotas nasais com medicamentos que desobstruem as passagens aéreas. Porém, há um jeito específico de aplicar as gotinhas, que deve ser ensinado por um otorrinolaringologista.

Consultoria: Antônio Carlos Pastorino, Assistente Doutor da Unidade de Alergia e Imunologia do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da USP, São Paulo (SP). Revisão: Michelle Albuquerque