30% das crianças com menos de dois anos já bebem refrigerante! Saiba os perigos disso

Em Agosto, fabricantes vão parar de fornecer refrigerantes para cantinas de escolas. Medida prevê diminuir obesidade infantil

Criança bebendo refrigerante
Reprodução/ThinkStock

Nessa quinta-feira (23), a Coca Cola, Ambev e Pepsico, as três maiores fabricantes de bebidas do Brasil, anunciaram que a partir de agosto não vão mais vender refrigerantes para as cantinas das escolas. Essa medida tem como objetivo evitar o aumento da obesidade infantil no país.

Criança bebendo refrigerante

Reprodução/ThinkStock

Os números são alarmantes: 32% das crianças com menos de dois anos já tomam refrigerante. Os fabricantes reconheceram que crianças que tem menos de 12 anos não possuem maturidade suficiente para escolher o que é melhor para a saúde na hora do recreio, por isso, a medida teria como objetivo ajudar a evitar o consumo exagerado desses açúcares.

Problemas de saúde para as crianças que bebem refrigerante

Para as crianças, o problema é bem grande! Os alimentos e bebidas industrializadas são pobres em nutrientes e pecam no excesso de açúcar, gorduras e sódio. O próprio Ministério da Saúde adverte que sucos industrializados e bebidas lácteas são alimentos processados e o consumo deve ser evitado, principalmente em grandes quantidades.

Criança bebendo refrigerante

Reprodução/ThinkStock

Segundo a ABIR (Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerante), os brasileiros bebem cerca de 80 litros de refrigerante por ano. Estudos demonstram que essas calorias ingeridas através de refrigerantes e sucos não são facilmente percebidas pelo cérebro, o que acaba permitindo o excesso.

O ideal é postergar ao máximo o consumo de refrigerante pelas crianças, evitando a bebida como item indispensável nas refeições. Claro que não é preciso proibir os filhos de beber nas festinhas ou aos finais de semana, mas é importante também ensinar os problemas que eles podem gerar para a saúde.

Veja também:

Veja 6 dicas de como manter as crianças entretidas nas férias!

Como mudar os hábitos alimentares das crianças