Crianças na era digital: as recomendações para protegê-los dos perigos virtuais

Seu filho ainda não fala, mas já sabe mexer no celular? Então confira as maneiras certas de introduzir a tecnologia na vida das crianças!

menino mexendo em um tablet
(Foto: Pixabay)

Hoje em dia, as crianças têm contato com a tecnologia cada vez mais cedo. Isso porque aparelhos eletrônicos viraram item obrigatório no nosso dia a dia e, assim, acabamos compartilhando-os com os pequenos até sem querer. A Sociedade Brasileira de Pediatria, pensando nos malefícios que o excesso de estímulos virtuais podem causar, elaborou um manual para orientar pais, pediatras e professores sobre o assunto. Veja as principais dicas!

De olho no tempo e conteúdo

Recomenda-se que o tempo de uso diário ou a duração total por dia do uso de tecnologia digital seja limitado e proporcional às idades e às etapas do desenvolvimento cerebral, mental, cognitivo e psicossocial das crianças e adolescentes. Deve-se limitar o tempo de exposição às mídias ao máximo de uma hora por dia para crianças entre dois a cinco anos de idade. Crianças entre zero a dez anos não devem fazer uso de televisão ou computador nos seus próprios quartos.

Crianças menores de seis anos precisam ser mais protegidas da violência virtual, pois não conseguem separar a fantasia da realidade. Jogos on-line com cenas de tiroteios com mortes ou desastres que ganhem pontos de recompensa como tema principal não são apropriados em qualquer idade, pois banalizam a violência como sendo aceita para a resolução de conflitos, sem expor a dor ou sofrimento causado às vítimas, além de contribuírem para o aumento da cultura de ódio e intolerância e devem ser proibidos.

Mediação é preciso!

É necessário monitorar os sites, programas, aplicativos, filmes e vídeos que crianças e adolescentes estão acessando, visitando e trocando mensagens, sobretudo em redes sociais. Manter os computadores e os dispositivos móveis em locais seguros e ao alcance das responsabilidades dos pais (na sala) ou das escolas (durante o período de aulas) também é fundamental.

Indica-se usar antivírus, antispam, antimalware e softwares atualizados ou programas que sirvam de filtros de segurança e monitoramento para palavras, categorias ou sites. Alguns restringem o tempo de uso de jogos on-line e o uso de aplicativos e redes sociais por faixa etária. Ainda assim, é importante explicar com calma e sem amedrontar as crianças e adolescentes sobre quais são os motivos e perigos que existem na internet, que é um espaço vazio e virtual onde nem tudo é o que parece ser!

Converse com seu filho

Converse sobre valores familiares e regras de proteção social para o uso saudável, crítico e construtivo das tecnologias usando a ética de não postar qualquer mensagem de desrespeito, discriminação, intolerância ou ódio. Desconecte-se. Dialogue. Aproveite oportunidades aos finais de semana e durante as férias para conviver com a família, com amigos e dividir momentos de prazer sem o uso da tecnologia, mas com afeto e alegria.

LEIA TAMBÉM