Compulsão alimentar: 5 hábitos que podem indicar a doença

A compulsão alimentar é um distúrbio que pode comprometer (e muito) a qualidade de vida da pessoa. Entenda o problema e conheça sinais que podem indicá-lo

O descontrole em relação à comida pode caracterizar a compulsão alimentar. Descubra cinco sinais do distúrbio.
O descontrole em relação à comida pode caracterizar a compulsão alimentar. Descubra cinco sinais do distúrbio. FOTO iStock.com/Getty Images

“A compulsão alimentar ou o ato de comer em excesso torna-se um distúrbio a partir do momento em que uma pessoa consome uma grande quantidade de alimento de uma só vez ou ‘belisca’ constantemente, mesmo quando não tem fome durante um determinado período”, explica o especialista em cirurgia geral Dewey José de Almeida Guimarães.

Ou seja, a compulsão alimentar é caracterizado, principalmente, pelo descontrole em relação à comida. Vale ressaltar que a pessoa que apresenta o diagnóstico de compulsão alimentar não está, necessariamente, há muito tempo sem comer, isto é, o hábito de manter-se em constante processo de alimentação é recorrente no quadro desse distúrbio. A seguir, confira cinco hábitos que indicam a compulsão alimentar.

1. Comer escondido

O compulsivo sabe que o fato de comer de forma exagerada é prejudicial à sua saúde, porém não consegue se controlar. Dessa forma, para evitar constrangimentos ou amenizar a vergonha, opta por se alimentar escondido das demais pessoas. “Comer mais do que gostaria, ou comer muito em um dia ou outro, é comum para a maioria das pessoas. Nos compulsivos, esses episódios são, geralmente, escondidos, ou iniciados em públicos e continuados de uma forma que as pessoas não percebam o nível de ingestão”, afirma Daniela Faertes, psicóloga.

A compulsão alimentar faz com que a pessoa, frequentemente, esconda o fato de comer muito ao longo do dia.

A compulsão alimentar faz com que a pessoa, frequentemente, esconda o fato de comer muito ao longo do dia. FOTO iStock.com/Getty Images

2. Rapidez ao comer

Uma das razões para essa ação é a possibilidade da existência de uma ideia inconsciente, na qual o paciente de compulsão alimentar acredita que determinada comida não estará disponível por muito tempo. Assim, ele come bastante em um período curto, na tentativa de armazenar a maior quantidade de alimento possível. Talvez, esse pensamento seja uma espécie de referência a ocasiões passadas, em que o compulsivo se sentiu privado de acolhimento, ou seja, este comportamento é uma forma, não consciente, de evitar novas privações.

3. Alimentar-se mesmo sem fome

Para a pessoa que apresenta esse distúrbio alimentar, comer não está diretamente relacionado à fome, isto é, não é preciso que a sensação de saciedade esteja presente para que ela coma. Para o compulsivo, a comida tem um significado diferente de necessidade, isto é, ele encara o alimento como uma forma de abastecimento para os possíveis momentos de escassez de alguma coisa prazerosa.

Usar a comida como válvula de escape para os problemas, alegrias ou frustrações é comum no caso de compulsão alimentar.

Usar a comida como válvula de escape para os problemas, alegrias ou frustrações é comum no caso de compulsão alimentar. FOTO iStock.com/Getty Images

4. Aliviar as emoções na comida

Quando as pessoas estão ansiosas, com medo, angustiadas ou tristes, é comum encontrarem alguma válvula de escape: uns fazem compras, enquanto outros praticam atividades físicas. Porém, no caso do compulsivo, a forma de aliviar as emoções é em uma antiga conhecida, a comida.

5. Arrependimento

Após comer de forma exagerada e descontrolada, o compulsivo se sente culpado pelo que fez. De maneira consciente, ele sabe que o que está fazendo é perder o controle diante da comida, o que traz problemas à saúde. Então, além de se arrepender, também sente culpa por suas ações.

 

Consultoria Daniela Faertes, psicóloga; Dewey José de Almeida Guimarães, especialista em cirurgia geral

 

LEIA TAMBÉM: