Bloqueio emocional: 6 dicas para quem tem dificuldade de se relacionar

Insegurança, baixa autoestima, medos ou traumas? Especialista fala quais são os fatores que ajudam a causar essa sensação

None
Shutterstock

por Julia Natulini
Publicado em 05/12/2021 às 14:00
Atualizado às 14:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Se relacionar nem sempre é uma condição fácil, não é mesmo? Existem algumas barreiras neste processo que podem atrapalhar a vida afetiva de muita gente. O passado, na maioria dos casos, é uma das principais razões por causar algum tipo de dificuldade na hora de se apaixonar e se envolver com alguém. Se identificou? Saiba que não precisa se sentir sozinha com esse problema, pois existem maneiras de lidar com o bloqueio emocional.

Ao conhecer uma nova pessoa é normal avaliar, de modo geral, se as características dela dão match com as suas. Nessa etapa, é comum haver um receio em se aprofundar demais no outro, uma vez que as emoções ficam lá em cima e, de cara, expectativas são criadas, certo? Provavelmente você está se perguntando: ok, mas o que isso tem a ver com o bloqueio emocional? Pois bem, esse processo da paquera não costuma ser igual para todos. Há quem não queira se entregar por medo de se decepcionar. Outros escolhem não se envolver por causa de decepções anteriores, principalmente quando sofreram algum tipo de traição ou até mesmo perderam alguma figura importante na família - e não querem novamente vivenciar a sensação de perda, só que de uma outra forma, é claro.

Nem sempre é fácil entender os próprios sentimentos ou saber de onde vem o medo ao começar um relacionamento, não é mesmo? Alto Astral bateu um papo com a psicóloga e terapeuta familiar Marina Vasconcellos para ajudar a identificar o que é essencial fazer nesses casos, e como evitar gatilhos na hora que as inseguranças surgirem na mente. Eis algumas sugestões de Marina:

Coloque um ponto final nas situações passadas

Quando há situações mal resolvidas no passado, é comum que o bloqueio ocorra nas relações seguintes. Lembranças ruins vêm à tona e transformam aquele entusiasmo em medo e falta de confiança em si mesma e também em quem está conhecendo. Nesses casos, você acaba deixando de viver uma nova experiência que pode ser positiva pela insegurança com os próprios sentimentos. O melhor a fazer é entender a necessidade de se abrir para uma terapia, pois ao se encontrar consigo mesma as coisas passam a fazer mais sentido.   

Problemas com a autoestima baixa

Tudo em excesso pode não trazer o resultado desejado. A autoestima muito baixa é capaz de deixar a pessoa com sensação de tristeza e desconfiança sobre o outro. É importante entender de onde vem esse estado. Se cuidar e priorizar a si mesma pode ser um pontapé para interromper qualquer sinal de bloqueio afetivo. Sem contar que quando você se valoriza, fica mais fácil na hora de avaliar o que de fato quer viver.

Está tudo bem não agradar a todos

O medo de que amigos, familiares ou até mesmo desconhecidos julguem o seu relacionamento até pode existir, mas isso não pode ser motivo para deixar de apostar num romance com alguém que esteja curtindo na mesma intensidade que você, ok? Após decidir o que, de fato, quer priorizar, sustente a ideia e não a desfaça por insegurança da visão de quem está de fora. Se jogue e viva o melhor do que a vida pode oferecer!

Além desses pontos essenciais sobre algumas das razões pelo qual o bloqueio emocional surge, Marina Vasconcellos elencou 6 dicas para quem está passando por isso ou já passou: 1- Faça terapia, vai te ajudar a entender melhor o seu lado emocional;2- Saia de perto de pessoas que te façam mal ou não a incentivem a melhorar essa insegurança;3 - Preste atenção no ambiente que você frequenta, isso também pode influenciar; 4- Aposte em leituras sadias de livros de autoajuda feminina;5 - Entre em contato com os próprios sentimentos, pois por meio da terapia você vai entender o porquê está agindo dessa maneira repetitiva no início das relações;6- Caso esteja em algum relacionamento e se sinta insegura, procure entender o porquê dessa sensação e se ela diz respeito apenas sobre você ou também está relacionada ao outro. 

Por fim, a terapeuta familiar diz que quando as emoções não são tratadas o corpo acaba sentindo e daí começam as doenças psicossomáticas, ou seja, o organismo acaba adoecendo junto. Logo, leia as dicas e trabalhe os seus sentimentos para diminuir os sintomas da insegurança, medo e, possivelmente, o bloqueio emocional.

Fonte: Marina Vasconcellos, psicóloga, psicodramatista e terapeuta familiar pela PUC-SP. 

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.