Comfort food: o que é, seus prejuízos a saúde e como substituí-lo

Comfort food: o que é, seus prejuízos a saúde e como substituí-lo

O sabor simples e delicioso que remete as boas lembranças, traz nostalgia alimentar e é capaz de sabotar a sua dieta. Fique longe dele!

comfort food
Foto: Shutterstock

A comidinha da mamãe, da vovó ou de alguma viagem inesquecível pode ficar marcada para sempre no paladar de uma pessoa e trazer aquela sensação de prazer e aconchego na hora de degustar. Os chamados “comfort food” aliviam a ansiedade e relembram boas sensações. O sabor simples e delicioso que te remete às boas lembranças traz uma nostalgia alimentar capaz de sabotar a sua dieta.

O ato de comer é prazeroso. É comprovado cientificamente que, ao consumir um alimento que gostamos, liberamos substâncias químicas positivas em nosso organismo. Entretanto, essa relação com o prato também pode se tornar perigosa quando feita de forma excessiva ou descontrolada.

Isto quer dizer que, ao buscar determinados produtos, a pessoa pode agir de forma impulsiva, apenas por emoção, não se atentando para os valores nutricionais. Devido a esse “poder” de alguns pratos de oferecerem alegria e bem-estar, os consumidores acabam recorrendo a elas quando algo não vai bem – seja por estresse, desmotivação ou depressão, por exemplo.

“É nesse ponto que a relação com a comida afetiva pode deixar de ser saudável, principalmente quando a ingestão passa a ser excessiva ou só como um movimento de fuga. Em muitos dos casos, a pessoa nem se quer está com fome, mas sente a vontade de descarregar tudo em uma pizza, por exemplo”, comenta a psicóloga Aline Melo.

O que é comfort food?

Geralmente, as lembranças são boas, por isso, as pessoas associam esse alimento a um determinado assunto e não conseguem tirar do cardápio. Alguns chefes gastronômicos premiados estão utilizando dessa artimanha para conquistar o paladar dos clientes com temperos que remetem aos sentimentos de saudade e felicidade.

De acordo com a psicóloga, é necessário quebrar o elo quando o “comfort food” está prejudicando sua saúde e impedindo que atinja os objetivos almejados. Entender quando e como isso acontece é o primeiro passo para o sucesso. Manter-se afastada dos gatilhos é essencial.

Quando pode ser prejudicial?

Além dessa associação entre alimentação e emoção ser um fenômeno perigoso, a busca frequente pela sensação do comfort food pode levar a uma compulsão alimentar. Isso ocorre quando a pessoa ingere altas quantidades de comida em um pequeno intervalo de tempo. “Quanto mais o ‘comer emocional’ estiver presente, maiores as chances de isso afetar negativamente saúde física e mental da pessoa”, aponta Aline.

Outra condição, muitas vezes, associada ao termo é o consumo de pratos gordurosos, como uma pizza ou lasanha. Afinal, é comum relacionar as comfort foods à fast foods, responsáveis por uma satisfação rápida e imediata. “Muitas pessoas justificam o consumo das “guloseimas” como um ‘presente’ em meio a um dia desgastante, e essa atitude, quando se torna frequente, pode ser prejudicial, uma vez que lanches rápidos são mais calóricos e possuem baixo valor nutricional”, reforça a nutricionista Ana Paula Gonçalves.

Categorias existentes

Existem diversos motivos para o indivíduo passar a consumir alimentos por meio de elementos emocionais.

  • Nostalgia

Sabe aquela comida que só a mãe, o pai ou os avós são capazes de fazer? O sentimento é responsável pela atitude por remeter a um período vivenciado no passado.

  • Indulgência

Quando a pessoa busca por um alimento específico, geralmente rico em gorduras, como uma forma de recompensar uma situação negativa, por exemplo, problemas no trabalho, uma briga no casamento, etc.

  • Conveniência

Sabe aqueles alimentos que, em momentos de necessidades, tornam-se verdadeiras salvações? Em geral, por serem nutrientes de origem industrial, as substâncias que podem ser consumidas de forma prática e acessível são danosas. “A intenção aqui é obter a satisfação e o prazer com rapidez e simplicidade, o que pode ser bastante prejudicial para a saúde em médio e longo prazo”, comenta Ana Paula.

  • Conforto físico

Alimentos que geram sensações boas devido à ação química comprovada no cérebro. Podem ser pratos ricos em açúcar e gordura, entre outros.

Como substituir o Comfort Food?

Depois de devorar aquela comidinha que te conforta, e que você não consegue ficar sem, pode vir o arrependimento e o sentimento de culpa. A solução é saber lidar com as emoções realizando outras atividades e fazendo substituições inteligentes para continuar ingerindo determinado alimento.

“A comida traz bons sentimentos, por isso, é possível substituir aquele chocolate ao leite por um com um maior teor de cacau, diminuir o açúcar e buscar outros substitutos que vão te dar prazer sem prejudicar a saúde e atrapalhar os seus planos para boa forma.

Todos os alimentos têm opções de tornar o prato mais saudável, o objetivo é aguçar a memória gustativa e olfativa por meio de novas criações inteligentes”, enfatiza a nutricionista. E completa: “Fazer as adaptações corretas contribuirá  para chegar na meta com muito mais facilidade, pois geralmente aquele comfort food que a pessoa mais gosta é o que mais faz mal”.

Leia também: