Quando recorrer a cirurgia de redução do estômago? Saiba mais

A cirurgia de redução de estômago é um procedimento que exige muitos cuidados e deve ser uma medida de último caso. Saiba mais sobre essa operação!

equipamentos médicos saúde redução estômago
Foto: Reprodução/Pixabay

A cirurgia de redução do estômago, também chamada de cirurgia bariátrica ou gastroplastia, é uma medida radical para quem pensa — e precisa — em emagrecer e requer muitos cuidados. Por ser invasiva, só deve ser considerada após falharem todas as outras opções — como a adoção de uma alimentação balanceada e a prática regular de esportes e exercícios físicos.

O principal critério adotado para se considerar ou não a redução de estômago é o índice de massa corporal (IMC). “Apenas as pessoas com IMC igual ou superior a 40, ou igual ou superior a 35 acompanhado de outros problemas (diabetes, hipertensão arterial e apneia do sono, por exemplo), estarão qualificadas para se beneficiar da cirurgia bariátrica”, esclarece Alfredo Fortes, chefe do Serviço de Cirurgia Bariátrica do Hospital São Vicente de Paulo, no Rio de Janeiro (RJ).

equipamentos médicos saúde redução estômago

Foto: Reprodução/Pixabay

O processo, aliás, começa bem antes. Em uma primeira etapa, serão feitos diversos exames básicos, como radiografia do tórax, ecocardiograma e prova de função respiratória, entre outros. “Concluídos os exames, o paciente deve ser avaliado por profissionais como clínico de cirurgia bariátrica, psicólogo, psiquiatra, nutricionista, endocrinologista e cardiologista. Caso o paciente necessite, vale o parecer de outros especialistas específicos, como pneumologista e ginecologista”, lembra o cirurgião bariátrico Guilherme Cotta.

É igualmente importante a fase pós-operatória. Assim que sai da mesa de cirurgia, o paciente permanece internado por um período que vai de 48 a 72 horas, acompanhado por um corpo clínico multidisciplinar. Durante os primeiros 15 dias, terá de se submeter a uma dieta exclusivamente líquida. Posteriormente, outras restrições alimentares terão de ser seguidas com rigor.

LEIA TAMBÉM

Texto: Redação Alto Astral | Edição: Érika Alfaro/Colaboradora | Consultorias: Alfredo Fortes, chefe do Serviço de Cirurgia Bariátrica do Hospital São Vicente de Paulo, no Rio de Janeiro (RJ); Guilherme Cotta, cirurgião bariátrico.