Costela-de-adão: saiba como cultivar e cuidar

Paisagista explica quais são as técnicas ideais para o cultivo da planta

Costela-de-adão: siga as dicas para ter em casa a planta da vez
Costela-de-adão: siga as dicas para ter em casa a planta da vez - Shutterstock

por Beatryz Gaia
Publicado em 14/11/2021 às 14:00
Atualizado às 14:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Alô, "plant parents"! Se você estiver fazendo sua "urban jungle" em casa e planeja incrementar sua decoração de interiores, aposte na tendência verde mais procurada entre os apaixonados por plantas: a Monstera deliciosa, popularmente conhecida como costela-de-adão.

Versátil e de fácil manutenção, a costela-de-adão é propícia para cultivo em climas tropicais e pode ser inserida na decoração de diferentes maneiras. “A forma mais comum é o plantio em vasos, preferencialmente em algum cantinho no chão, já que a planta cresce bastante”, explica o paisagista Luciano Zanardo.

Assim, se você não vê a hora de ter uma costela-de-adão em casa, vale seguir as dicas do paisagista sobre os cuidados ideais para o cultivo da planta do momento:

Lugar ideal para o plantio

Poucos sabem, mas a costela-de-adão pode ser cultivada em diferentes espaços. É preciso redobrar a atenção em relação à incidência de luz sobre o local escolhido, afinal, trata-se de uma espécie que gosta de luz, mas sem exageros. Opte por lugares com meia sombra.

Se elas forem expostas ao sol forte, as folhas provavelmente vão começar a amarelar, podendo até mesmo a ter alguns buracos, prejudicando, dessa forma, sua vida útil e crescimento.

Já em relação ao solo, a planta precisa de terra fresca com uma boa drenagem para crescer saudável. Zanardo recomenda trocar de vaso todo ano para prolongar a vida da espécie. “O ideal é que o tamanho do vaso escolhido seja ligeiramente maior do que a planta”, completa.

E, lembre-se: é bom evitar que a costela-de-adão seja cultivada com outra espécie no mesmo vaso, uma vez que pode eliminar substâncias químicas através das raízes, inibindo o desenvolvimento das demais.

Preste atenção na rega

A rega pode ser feita duas vezes na semana, já que, por conta da folhagem mais larga, tem mais campo para a evaporação da água. Por outro lado, no inverno o ideal é que a  frequência caia para uma vez na semana ou a cada 15 dias. “Uma dica para saber se a planta está precisando de água ou não é verificar o solo. Coloque o dedo na terra e se sair sujo, é sinal de que ainda não precisa de rega”, sugere o paisagista.

Limpeza das folhas

Uma dica valiosa que coopera para o desenvolvimento da planta é fazer limpeza das folhas com uma esponja umedecida com água. “Além de retirar o pó das folhas, conseguimos evitar que fiquem completamente secas”, finaliza o paisagista.

Fonte: Luciano Zanardo, que comanda a Zanardo Paisagismo e atua no mercado de paisagismo corporativo e residencial.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.