Campanha de vacinação contra gripe já começou; tire suas dúvidas

Os grupos prioritários terão até o dia 31 de maio para procurar os postos de saúde

Campanha de vacinação contra gripe já começou
Por Beatriz Reis - 11/04/2019

Foto: Shutterstock

Com a chegada das estações mais secas e frias, o número de casos de doenças virais aumenta e, em conjunto, cresce a necessidade de prevenção. Disponibilizada pelo Ministério da Saúde, a campanha de vacinação contra gripe começou nesta quarta-feira (10/04) para os grupos prioritários, que terão até o dia 31 de maio  para procurar os postos de saúde. Quer saber mais sobre a campanha de vacinação contra gripe? Então tire todas as suas dúvidas agora!

1. Quem pode receber a vacinação gratuita contra a gripe?

Para receber a vacina contra gripe gratuitamente por meio do SUS (Sistema Unificado de Saúde), é necessário fazer parte do grupo de risco que engloba crianças entre 1 e 6 anos incompletos, grávidas e puérperas (mulheres até 45 dias após o parto).  Depois do dia 21 de abril, todos aqueles que se enquadram no grupo prioritário poderão ser vacinados, como trabalhadores da área da saúde, povos indígenas, pessoas que com doenças crônicas não transmissíveis, presidiários e funcionários do sistema prisional.

2. E quem não faz parte do grupo de risco, como pode se imunizar?

Se você não se encaixa no público-alvo da campanha de vacinação contra gripe e não pode receber a vacina gratuitamente, o sistema particular também oferece o serviço.

 

Campanha de vacinação contra gripe já começou

A campanha de vacinação contra gripe começou nesta  quarta-feira (10/04) para os grupos prioritários – Foto: Shutterstock

3. Como a vacina age no corpo?

A vacina é um tipo de imunização ativa, ou seja, substâncias ou microrganismos infecciosos (no caso, os próprios vírus da gripe) são introduzidos no organismo para estimular o sistema imunitário na produção de anticorpos quando em contato com um certo agente causador de doenças. Essas partículas inseridas no organismo não têm capacidade de causar a doença em si porque são enfraquecidas durante o processo de produção da vacina. Geralmente não há sintomas de desconforto após a injeção, mas efeitos colaterais como febre, mal-estar e dor no local da aplicação são comuns.

4. Quanto tempo depois posso me considerar imunizada?

A vacina leva em torno de 30 dias para atingir o pico máximo de proteção, o que quer dizer que, quanto antes você tomar, maiores as chance de já estar imunizada quando o período de maior contaminação da doença chegar. Se você já tomou ano passado e quer manter a prevenção, precisa renovar com uma nova dose esse ano. Quem tomou a trivalente pode tomar a tetravalente também, mas deve esperar o tempo mínimo de um mês. É importante lembrar que pessoas com alergia ao ovo não devem receber a vacina e quem apresentar algum quadro de imunodepressão deve procurar orientações de um médico.

5. É verdade que quem toma vacina contrai gripe?

Não. O que acontece, na maior parte dos casos, é uma coincidência de alguém que tomou a vacina contra gripe acabar contraindo a doença através de um outro vírus que não estava presente na fórmula da dose. Por ser aplicada em uma época propícia para a circulação do agente causador da doença, é fácil acabar esbarrando em um vírus diferente do qual você se imunizou. “Então eu não estou imunizada contra todos os tipos de gripe?”: não. A Organização Mundial da Saúde se baseia na maior circulação observada de vírus no hemisfério norte no ano anterior. Então sem neura: a vacina não vai te deixar doente.

6. Quais as outras formas de prevenção da doença?

Para complementar a ação da vacina, você pode: lavar as mãos com frequência (esse passo é o mais importante, porque as mãos são a primeira parte do corpo a entrar em contato direto com áreas contaminadas); ventilar os ambientes (abra as janelas se estiver em transporte público, ônibus, trem ou metrô); evitar coçar os olhos ou colocar as mãos na boca; quando tossir, tapar a boca com o antebraço e não com as mãos; tomar mais água, alimentar-se melhor, dormir a quantidade necessária e fazer atividades físicas – um corpo saudável consegue combater melhor as ameaças externas.

 

LEIA MAIS: