Brincadeira de criança: brincar ao ar livre estimula a imunidade infantil

Estimule a imunidade do seu filho do jeito que ele gosta! Fazer castelinhos de areia, correr descalço e sujar a roupa nunca foram atitudes tão saudáveis

Crianças, lindas, brincando
Foto iStock.com/Getty Images

Antigamente brincadeira de criança era na rua: subir em árvores, jogar futebol no campinho. Hoje, elas não saem da frente de vídeogames e computadores. Mas você sabia que, ao contrário do que parece, ficar dentro de casa prejudica as defesas da criançada? “Conviver com a natureza é importante para desenvolver a imunidade porque o organismo cria anticorpos ao ter contato com certos vírus e bactérias”, explica o clínico geral Paulo Olzon Monteiro da Silva.

Crianças, lindas, brincando

Foto iStock.com/Getty Images

Sem exageros!

“É claro que não se deve ter o exagero de promover o contato dos filhos com, por exemplo, crianças com meningite, achando que o organismo vai desenvolver defesas contra a doença. O recomendado é que os pequenos brinquem em parques, com bichos de estimação, com a natureza”, avisa Paulo. O correto é manter o equilíbrio: lavar as mãos para comer, tomar banho todos os dias e manter a casa limpa e desinfetada; mas, na hora de brincar, não faz mal sujar! Fazer castelinhos de areia, correr descalço e sujar a roupa nunca foram atitudes tão saudáveis.

Saiba mais:

Descubra como estimular a concentração infantil

Tire dúvidas sobre comportamento infantil

Alimentação infantil: 5 dicas para incluir alimentos saudáveis na refeição

Bichinho amigo!

Ter um bichinho de estimação pode fazer muito bem à saúde dos filhos. Estudo realizado nos Estados Unidos com 474 crianças até os 7 anos de idade, mostrou que as que foram expostas a dois ou mais animais no cotidiano apresentavam metade das chances de desenvolver alergias do que aquelas que não conviviam com bichos de estimação. Tudo isso porque na saliva de cães e gatos estão presentes bactérias que liberam substâncias estimulantes do sistema imunológico dos pequenos, que desenvolve uma certa tolerância aos agentes externos.

 

Texto Marisa Sei/Colaboradora | Consultoria Paulo Olzon Monteiro da Silva, clínico geral